COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

10 de Junho, 2015 - 16:50 ( Brasília )

China critica comentário do G7 sobre questões do Mar do Sul e do Leste


O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hong Lei, pediu nesta terça-feira (9) ao Grupo dos Sete (G7) para que respeite a verdade e suspenda a divulgação de afirmações irresponsáveis em relação às questões do Mar do Sul e do Leste da China.

Hong Lei destacou que a China possui a soberania indiscutível sobre as ilhas Diaoyu e os arquipélagos de Nansha. As atividades de construção nos recifes pelo governo chinês visam reforçar as funções de defesa, navegação e resgate no mar, fazendo parte dos assuntos internos do país. Neste sentido, outros países não têm direito de interferir nos movimentos da China.

Segundo o porta-voz, a China tem mantido calma em tratar das disputas marítimas, de forma a defender a paz e estabilidade da região. As autoridades chinesas dedicam-se à promoção da solução das divergências por meio de diálogo com princípios de respeito ao fato e a Lei Internacional. Entretanto, como um país soberano, a China vai tomar ação necessária contra os atos que prejudicam a soberania e integridade territorial chinesa.

China repreende EUA por reunião com Taiwan

A China repreendeu os Estados Unidos por hospedar a chefe do partido de oposição, o Partido Progressista Democrático?(DPP, na sigla em inglês), que é conhecida por sua defesa à independência de Taiwan.

A presidenta do DPP, Tsai Ing-wen, encerrou recentemente uma visita aos EUA, durante a qual participou de uma reunião na sede do Departamento de Estado.

"O movimento foi contra a paz e a estabilidade do Estreito de Taiwan e prejudicou o desenvolvimento pacífico dos laços através do Estreito", disse nesta quarta-feira Ma Xiaoguang, porta-voz do Departamento dos Assuntos de Taiwan do Conselho de Estado, em uma entrevista coletiva regular.

Ao reclamar que a reunião "enviou um sinal errado às forças separatistas da ilha", Ma pediu que os Estados Unidos adiram ao princípio de Uma Só China e se oponham à independência de Taiwan.

"Nós nos opomos firmemente ao envolvimento de qualquer pessoa, de qualquer forma, em atividades separatistas da independência de Taiwan no cenário internacional", apontou Ma.

Tsai discutiu os laços através do Estreito durante sua visita aos EUA, mas não conseguiu tornar clara sua atitude nesta questão, de acordo com Ma, "Povos de ambos os lados do Estreito precisam de uma resposta clara do DPP".

"A parte continental chinesa e Taiwan pertencem a uma China e os laços através do Estreito não são relações entre países", afirmou. "Uma vez que a fundação seja abalada, o desenvolvimento pacífico dos laços através do Estreito não será mais mantido".