COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

21 de Julho, 2014 - 14:45 ( Brasília )

Presidente chinês continua giro latino-americano


Investimento em vários setores da Argentina

O presidente chinês, Xi Jingping, anunciou que a China vai investir bilhões de dólares, sem precisar quantia, em vários setores da economia na Argentina, incluindo o energético e ferroviário. O presidente chinês faz uma visita oficial de três dias à Argentina, de sexta-feira (18) a domingo (20).

Na sexta-feira, Xi Jingping já tinha assinado mais de 20 acordos com a presidente argentina, Cristina Kirchner, entre eles uma “parceria estratégica”, nos moldes de outras alianças concluídas com países emergentes, como o Brasil.

No setor energético, a China vai contribuir com 4,4 bilhões de dólares na construção de duas barragens hidroelétricas na região de Santa Cruz, além de ajudar o país a construir sua quarta central nuclear.

Pequim vai também investir 2,1 bilhões de dólares para desenvolver o transporte de mercadorias, especialmente de alimentos, um setor estratégico para a economia do país, além de financiar a construção de onze navios por 423 milhões de dólares.

Sedução latina

A China, que já investiu 23 bilhões de dólares no país, é o terceiro parceiro comercial da Argentina, depois do Mercosul e da União Europeia, e é um dos principais destinos para a exportação de gêneros alimentares.

O presidente chinês lançou uma operação de sedução na América Latina, desde sua chegada no Brasil na última quinta-feira, confirmando o objetivo de Pequim em concorrer com os Estados Unidos na região.

Venezuela

Depois de passar pelo Brasil e Argentina, o presidente chinês, Xi Jingping, está na Venezuela para negociar novos acordos petroleiros com o país. A China se tornou um aliado estratégico de Caracas durante os 15 anos de governo de Hugo Chavez e é hoje o segundo importador de petróleo venezuelano, com um volume médio de 640 mil barris por dia.

Xi Jinping chegou no domingo (20) à noite, em Caracas, e foi recebido pelo presidente venezuelano Nicolas Maduro. Com os novos acordos energéticos entre os dois países, a Venezuela pode aumentar a exportação de petróleo para China para um milhão de barris por dia. O comércio bilateral entre Venezuela e China é atualmente de US$ 20 bilhões, o equivalente a R$44,5 bilhões.

Investimentos

A primeira etapa da viagem de Xi Jinping foi em Fortaleza, onde ele participou à Cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), durante o qual foi decidida a criação de um banco de desenvolvimento e fundos de emergência para os países membros.

Em seguida, na Argentina, a China acertou acordos comerciais no valor de US$ 7 bilhões no setor da hidrologia, da tecnologia nuclear e das indústrias marítimas e ferroviárias. Pequim é o terceiro parceiro comercial de Buenos Aires, depois do Mercosul e da União Europeia.

O presidente chinês encerra o giro latino-americano em Cuba, onde chega ainda nesta segunda-feira, e deve anunciar o projeto de construção de uma fábrica de captadores biológicos destinados a monitorar a taxa de glicemia dos diabéticos e outras vítimas de doenças crônicas, informou a mídia cubana.