COBERTURA ESPECIAL - Fuzileiros Navais - Naval

07 de Julho, 2014 - 10:10 ( Brasília )

Policiais civis de Mato Grosso do Sul treinam com fuzileiros navais


Correio do Estado / MS
DIÁRIO ONLINE

Trinta policiais civis de pelo menos 10 cidades de Mato Grosso do Sul concluíram na sexta-feira (04) treinamento na área de adestramento do Rabicho, que o 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil mantém no meio do Pantanal corumbaense. Oferecido por militares do Grupamento de Fuzileiros Navais de Ladário, o curso de adestramento tático ribeirinho teve início na segunda-feira (30).

Ao longo de uma semana, os policiais civis – delegados; escrivães; peritos e investigadores – participaram de aulas teóricas, nos dois primeiros dias, e práticas relacionadas à atuação de forças de segurança em áreas ribeirinhas como operações táticas, conduta de patrulha, noções de Pantanal e de primeiros-socorros. O intuito foi qualificar o policial civil de Mato Grosso do Sul. 

Corumbá e Ladário tiveram dez profissionais da Polícia Civil – sendo três delegados –participando do adestramento. A delegada Paula Ribeiro dos Santos Oruê, titular da Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM), destacou que a capacitação qualifica o serviço do policial.

“Tivemos oportunidade de aprender com a Marinha, não só a disciplina que eles têm e com a qual conduzem o que fazem, mas principalmente o planejamento das ações. Foi um curso intenso com instruções teóricas e práticas e nós teremos como aplicar em nossas ações cotidianas, principalmente nas operações do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira (GGI-Fron), que unem as forças”, explicou a delegada ao Diário Corumbaense. “Com isso, vamos contribuir melhor para a segurança da população de Corumbá e Ladário, tanto urbana e rural, quando precisar”, complementou.

No encerramento do treinamento no Rabicho, os policiais simularam a tomada de área e prisão de criminosos especializados em tráfico de drogas. “Se aproximou bastante da nossa realidade. O local tem vários cômodos, não sabíamos quantas pessoas tinham.

Com um trabalho de inteligência anterior buscamos levantar quantos criminosos havia, é uma situação bem real, que se aproxima das ações de busca e apreensão, cumprimento de mandados de prisão. Os policiais entram na casa de forma a garantir a segurança da equipe e de todos porque a função primordial da Polícia é servir e proteger. Procuramos, nos cumprimentos de mandado, salvaguardar a vida e prender nossos alvos”, destacou a titular da Delegacia de Atendimento à Mulher em Corumbá.

Treinamento qualifica serviço

Delegado Regional de Jardim, Bruno Henrique Urban, explicou que o treinamento militar oferecido pela Marinha ensinou “meios e técnicas” que podem ser empregados em áreas urbanas também. “Aprendemos táticas de progressão em patrulha, de tomada de locais confinados e, fundamentalmente, o trabalho em equipe. Tudo isso será usado em operações policiais desencadeadas em todo o Estado”, observou.

O adestramento reuniu policiais civis ligados aos departamentos de polícia do interior; da capital e de polícia especializada. Havia policiais de todas as regiões de Mato Grosso do Sul, lotados em cidades como Coxim, Vicentina, Jardim, Corumbá, Ladário, Campo Grande, Dourados, Caracol e Caarapó. “Quem tem a ganhar com isso é a população sul-mato-grossense e o povo brasileiro que tem suas fronteiras melhores guarnecidas em razão do aprimoramento do trabalho dos operadores da segurança pública”, frisou o delegado regional de Jardim.

Treinamento reuniu policiais civis de pelo menos 10 cidades do Estado

Investigador lotado em Miranda, José Carlos Carneiro de Almeida, explicou a este Diário como o treinamento ribeirinho vai auxiliar em seu cotidiano profissional. “Mesmo não sendo Pantanal, o policial atua em área rural e pode encontrar dificuldades parecidas com as que encontramos aqui. Pode não encontrar área alagada, de rio como aqui, mas tem mato. Há muitas prisões em fazendas e essa capacitação nos mostrou a melhor forma de agir fora da área urbana”, observou.

Policial civil há 27 anos, Aldo Garcia, investigador do Garras em Campo Grande, disse que o treinamento lhe trouxe conhecimentos aplicáveis a situações diversas. “Trabalho num grupo que atua no Estado inteiro. Apesar de já ter certa experiência, consegui adquirir, com os fuzileiros navais, conhecimento para aplicar no dia a dia. Não temos Pantanal em Campo Grande, mas atuamos no Estado inteiro”, argumentou.

Parceria pode ter sequência

O comandante do 6º Distrito Naval, contra-almirante Edervaldo Teixeira de Abreu Filho, acompanhou o encerramento do treinamento no Rabicho. Ele destacou que o curso buscou permitir aos participantes uma atuação de excelência no cumprimento de suas tarefas cotidianas nas mais variadas áreas de Estado.

“Nós fazemos isso, é o nosso trabalho no dia a dia e temos meios de como empreender esse exercício para combater o inimigo. Temos que ter conhecimento de como fazer juntos, e ter adestramento, porque podemos precisar da Polícia Civil. Temos operações conjuntas com os órgãos de segurança, como as Ágatas.

É importante porque ganham a população e o país, que terão segurança melhor. A Marinha está sempre pronta para esse tipo de ação e auxiliar no crescimento da segurança pública do nosso país”, enfatizou o contra-almirante.

Iniciativa inédita no Mato Grosso do Sul, a capacitação oferecida pela Marinha aos policiais civis do Estado pode ser uma prática frequente, antecipou o delegado Regional de Corumbá, Evandro Corredato. “Veio dos agentes, que nos pediram o adestramento com a Marinha. Isso mostra que nosso pessoal quer aperfeiçoamento.

Para a Polícia Civil valeu muito a pena, nossos policiais vão levar esses ensinamentos para suas regiões. Sempre que houver oportunidade vamos participar. Temos um curso para oferecer a Marinha também”, finalizou.