COBERTURA ESPECIAL - Brasil - China - Geopolítica

28 de Julho, 2015 - 09:30 ( Brasília )

AZEDO - Faltou combinar com os chineses

A aposta na parceria com a China para retomar os investimentos, principalmente em infraestrutura e na área de petróleo, subiu no telhado


Luiz Carlos Azedo
Correio Braziliense


Quando lançou seu novo programa de concessões em infraestrutura — na verdade um plano requentado, no qual o mirabolante projeto de construção do trem-bala Rio-Campinas-São Paulo foi substituído pela ferrovia transcontinental ligando o porto de Santos ao Pacífico, via Peru —, a presidente Dilma Rousseff apostava todas as fichas no ingresso maciço de investimentos chineses no Brasil.

A parceria foi acertada com o primeiro-ministro Li Keqiang, durante sua recente passagem por Brasília, na qual assinou 35 acordos de cooperação em oito áreas que envolvem investimentos de US$ 53 bilhões. Só com a Petrobras, foram assinados três atos de cooperação, no valor de US$ 7 bilhões.

Mas parece que faltou combinar com os investidores chineses. Ontem (27JUL15), a bolsa de valores de Xangai caiu mais de 8%, com a confiança ainda impactada pela queda da atividade industrial daquele país. Essa foi a maior baixa desde fevereiro de 2007. Em consequência, as bolsas asiáticas fecharam em queda.

A bolsa de Xangai reflete a desaceleração da segunda maior economia do mundo, que é o maior parceiro comercial do Brasil. Resultado, aqui a moeda norte-americana avançou 0,5%, fechando a R$ 3,3640 na venda. É a maior cotação desde 28 de março de 2003, quando o dólar encerrou a sessão a R$ 3,3757. No mês de julho, o dólar acumula alta de 8,2%. Neste ano, a moeda já avançou 26%.

A economia chinesa é uma referência para quem investe em emergentes. Se a bolsa lá piora, o investidor também fica com um pé atrás para investir no Brasil. Nos últimos 20 anos, a economia brasileira passou por mudança estrutural na sua relação com o mundo.

Assim como o eixo do comércio mundial se deslocou do Atlântico para o Pacífico, a China desbancou os Estados Unidos como principal parceiro comercial do Brasil. Muito da bonança que o país viveu durante o governo Lula se deve à expansão da economia chinesa. Agora, tudo mudou.

A China, porém, enfrenta uma forte crise no mercado financeiro, que muitos suspeitam ser uma bolha que mais cedo ou mais tarde explodiria. A queda de ontem em Xangai atingiu especialmente as empresas de corretagem, como a Industrial Securities e Dongxing Securities, que perderam 10%, o máximo possível em um dia de cotação.

As empresas especializadas em estradas também, como a Hubei Chutian Expressway e Shandong Hi-Speed, que perderam igualmente 10%. A bolsa de Xangai caiu 30% nas últimas três semanas, acumulando perdas de mais de US$ 3 trilhões. Para se ter uma ideia, isso significa 10 vezes o PIB da Grécia.

Aposta duvidosa

Em Wall Street, investidores aguardam a reunião do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, que pode dar novo passo em direção à elevação da taxa de juros norte-americana. Uma decisão nesse sentido pode ser um tsunami para a economia brasileira, cada vez mais vulnerável.

É aí que a flexibilização do ajuste fiscal aprovado pela presidente Dilma Rousseff na semana passada pode ser um desastre. A promessa de que duraria um ano de sacrifícios, com a retomada do crescimento em 2016, foi para o espaço. O ajuste deve durar pelo menos três anos e, talvez, até quatro.

Fala-se em recessão também no próximo ano, por causa da alta dos juros para conter a inflação. A aposta de uma parceria com a China para retomar os investimentos, principalmente em infraestrutura e na área de petróleo, era o cenário mais robusto que a presidente Dilma Rousseff tinha para estancar a recessão. Essa alternativa subiu no telhado.

Com o agravante de que as exportações de commodities de minério e produtos agrícolas para a China — até então uma variável confiável diante da posição do Brasil na nova divisão internacional do trabalho — também deverão sofrer consequências se a economia chinesa desacelerar ainda mais.

Na realidade, estamos diante de duas graves ameaças externas — a elevação dos juros nos EUA e a crise de financiamento da China —, com agravamento de mazelas crônicas da economia brasileira em razão de uma política desastrada de expansão do consumo sem elevação da produtividade, que dá sinais de recidiva porque a presidente Dilma retomou as rédeas da equipe econômica.

A volta da inflação crônica, os novos aumentos de impostos, os juros na Lua, a recessão, a corrupção incruada e crise ética mostram o esgotamento simultâneo de um modelo de governo e de desenvolvimento que se sustentava no poder do Estado brasileiro. O atual governo, que tem apenas seis meses, não quer implementar uma nova agenda de reformas estruturantes. E se quisesse, com a desmoralização política que sofreu, não teria condições de fazê-lo. Ou seja, está num beco sem saída.



Outras coberturas especiais


UNODC

UNODC

Última atualização 19 SET, 12:30

MAIS LIDAS

Brasil - China