COBERTURA ESPECIAL - Brasil - EUA - Defesa

12 de Julho, 2012 - 09:03 ( Brasília )

Brasil e EUA retomam diálogo para cooperação bilateral no setor de defesa


Representantes do Estado-Maior Conjunto das Forças (EMCFA) do Ministério da Defesa (MD) e da Diretoria de Cooperação de Armamentos do Pacífico dos Estados Unidos manifestaram interesse em estreitar cooperação bilateral entre os dois países nas áreas de ciência e tecnologia, e logística. O assunto foi levado a debate por militares brasileiros e americanos durante reunião do Grupo de Trabalho Bilateral de Defesa Brasil-EUA, concluído ontem na capital federal.

Os militares trataram sobre 35 temas, com destaque para, comando e controle, inteligência eletrônica, defesa química e biológica e energia alternativa. O encontro foi presidido pelo subchefe da Subchefia de Logística, general Carlos César de Araújo Lima, e teve a participação do diretor de Cooperação de Armamentos do Pacífico, Matthew Warren, do Escritório do Subsecretário de Defesa dos Estados Unidos.

Segundo Araújo Lima, a retomada do diálogo militar entre o Brasil e os Estados Unidos, nessas áreas, é importante para levantar novas possibilidades de parcerias. O militar brasileiro destacou também que os temas apresentados pelos dois países representam oportunidades de troca de conhecimento, com ganho para as duas nações. O general ressaltou que as Forças Armadas do Brasil passam por grandes transformações nas áreas de ciência e tecnologia e logística e que a cooperação com um país com ampla experiência em operações militares trará muitos ganhos.

Para Matthew Warren foi importante restabelecer um canal de discussão na área de defesa que pode elevar a relação Estados Unidos-Brasil. A intenção é que os assuntos tratados nesse fórum resultem na assinatura de compromissos como, por exemplo, os acordos Master de Intercâmbio de Informações (MIEA - sigla em Inglês) e do Programa de Intercâmbio de Engenheiros e Cientistas (ESEP).

Warren disse que a reunião foi um momento para identificar oportunidades de iniciativas bilaterais. “Determinamos uma maneira para estabelecer alguns acordos que permitam maior cooperação em ciência e tecnologia e logística”, relatou.

Durante o encontro, autoridades brasileiras e americanas fizeram referência ao primeiro Diálogo de Cooperação em Defesa (DCD) Estados Unidos-Brasil assinado em abril deste ano pelo ministro da Defesa, Celso Amorim, e pelo secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta. O diálogo prevê uma maior cooperação bilateral, em ciência inovação e transferência de tecnologia; logística; comunicação; assistência humanitária e resposta a desastres; cooperação em apoio a nações africanas; segurança cibernética e apoio da defesa às autoridades civis para grandes eventos internacionais, tendo por base respeito mútuo e confiança.

Com a finalidade de dar continuidade às consultas, o aprimoramento e engajamento de especialistas serão mantidos diálogos para tornar viável o plano de ação. A próxima reunião está prevista para ocorrer, entre maio e junho de 2013, nos Estados Unidos.