COBERTURA ESPECIAL - Brasil - EUA - Tecnologia

25 de Março, 2019 - 11:55 ( Brasília )

Acordo entre Brasil e EUA para produção de satélites tem participação central do ITA e Inpe

Instituições de São José dos Campos (SP) terão desempenho em diferentes etapas, que vão da produção da plataforma do nanossatélite até o acompanhamento dele.

O acordo recém assinado entre Brasil e Estados Unidos para a criação de satélites com cooperação entre instituições dos dois países prevê participação central do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

As instituições com sede em São José dos Campos (SP) terão desempenho em diferentes etapas, que vão da produção da plataforma do nanossatélite - que são equipamentos com menos de 10 kg - até o acompanhamento dele. Assinado nos Estados Unidos durante o Brazil Day In Washington, na última segunda (18), pela Agência Espacial Brasileira (AEB) e pela Nasa, o acordo prevê lançamento de um nanossatélite modelo cubesat em 2020.

O chefe do Departamento de Sistemas Aeroespaciais do ITA, Luís Loures, explica que a instituição será responsável pelo desenvolvimento da plataforma do satélite. “O ITA produzirá o hardware e o software do módulo de serviço, enquanto os americanos produzirão o hardware e o software das cargas úteis. A Nasa Marshall está responsável pelo gerenciamento do projeto e pela engenharia de sistemas”, explicou.

Em um satélite, a plataforma é a base do projeto enquanto as cargas úteis são instrumentos de medida da ionosfera – elas serão desenvolvidas pelas instituições americanas. Para o primeiro lançamento, as cargas úteis serão um GPS de ocultação, um medidor de velocidade dos íons, uma sonda de Langmuir (que mede a densidade do plasma), sonda de impedância, um medidor de campo elétrico e um magnetômetro.

De acordo com Loures, uma equipe de 20 pessoas participa do projeto pelo ITA – e além do time do ITA e do Inpe, o projeto tem participação da Universidade Estadual de Utah, Universidade do Texas em Dallas e Universidade do Alabama em Huntsville. Além das universidades americanas, há também uma carga útil da empresa Aerospace e outra da Nasa Goddard.

“Considerando que nós temos duas videoconferências com a Nasa por semana, este projeto catapultou a engenharia Aeroespacial do ITA para um nível bastante elevado. Nossos profissionais estão sendo contratados por organizações no exterior e nossos alunos de graduação e mestrado estão sendo formados de maneira bastante avançada”, avalia o chefe do Departamento de Sistemas Aeroespaciais.

Inpe

Já o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais é responsável pelo segmento de solo e pela disponibilização das instalações do Laboratório de Integração e Testes (LIT) para a montagem, integração e testes.

“O centro de missão será no Inpe e o acompanhamento e distribuição dos dados para as instituições será feito por aqui também", explicou Otávio Santos Cupertino Durão, coordenador geral de engenharias e tecnologias espaciais do programa NanosatC-BR.

Prazos

Não há um mês específico definido para o lançamento em 2020, mas já está definido que eles serão lançados para a Estação Espacial internacional (ISS). “Não há previsão no atual acordo para lançamentos futuros, mas já existem planos para tal”, disse Luís Loures, do ITA.



Outras coberturas especiais


BRICS

BRICS

Última atualização 12 NOV, 13:40

MAIS LIDAS

Brasil - EUA