COBERTURA ESPECIAL - Brasil - EUA

05 de Abril, 2013 - 01:20 ( Brasília )

DID - Exército - Programa de modernização fomenta indústria de defesa brasileira

Para general Joaquim Silva e Luna, maior participação do Brasil no cenário internacional garante mais proteção das estratégias do País

 


Talita Camargo
Agência Indusnet Fiesp



O chefe do Estado-Maior do Exército Brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, apresentou nesta quinta-feira (04/04) o programa de modernização da força armada. “Esse programa tem por objetivo tirar o Exército da era industrial para migrar para a era do conhecimento”, afirmou o general durante o Defense Industry Day (DID), evento que tem uma programação de três dias na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Para o chefe do Estado-Maior do Exército Brasileiro, essa transformação não altera a missão do Exército, o de defender a pátria. “Busca-se a capacidade para cumprir essa missão dentro desse novo contexto do Brasil no cenário internacional”, ressaltou. “Esse processo de modernização decorre de um diagnóstico que foca em proteger as estratégias do país, exatamente neste momento em que o Brasil se insere nesse novo contexto internacional”, completou.

De acordo com a apresentação de Luna, o Exército brasileiro cumpre 80 operações diárias dentro do país, como segurança nas faixas de fronteira, presença contra o narcotráfico no Rio de Janeiro, defesa civil, entre outros. No exterior são 17 operações diárias distribuídas em missões em locais como Haiti, África e América Central. “Esses esforços demandam necessidades de novas capacidades”, afirmou.

Luna explicou que há uma tendência para que ações efetivas das forças armadas brasileiras sejam cada vez mais restritas. “Devemos servir como respaldo para as decisões tomadas pela diplomacia, para garantir a segurança nacional nesse sentido”.

Segundo ele, em 2012 foram investidos R$ 1,5 bilhões em equipamentos. Mas além destes investimentos, o Exército brasileiro conta com inovações nas áreas de inteligência contra a guerra cibernética, além da criação de um novo polo tecnológico para pesquisa. “Há um projeto de construção de um novo IME [Instituto Militar de Engenharia], que prevê a ampliação de formação de engenheiros, a fim de aumentar e modernizar o desenvolvimento, o ensino e a estrutura tecnológica”, afirmou Luna.

Ao concluir, o general destacou que o programa de modernização é um fomento para a indústria de defesa do país e para a criação de novos empregos no setor. “O processo de transformação tem como escopo fazer do Exército Brasileiro um efetivo instrumento de defesa da pátria, para contribuir com o desenvolvimento e crescimento nacional”, concluiu.