COBERTURA ESPECIAL - Brasil - EUA

05 de Abril, 2013 - 00:30 ( Brasília )

DID - Programa de reaparelhamento da Marinha inclui modernização de navios e submarinos

De acordo com Contra-Almirante Siqueira de Aguiar, iniciativa contribui para fortalecer parque industrial brasileiro

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Contra-Almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar: Foto: Helcio Nagamine/Fiesp
 

Concretizar o programa de reaparelhamento da Marinha é uma ação decisiva para o fortalecimento do país, segundo o coordenador do programa de reaparelhamento da Marinha brasileira, Contra-Almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar.

“Nossa prioridade é a construção do poder naval brasileiro”, disse na manhã desta quinta-feira (04/04) o representante da Marinha no seminário Defense Industry Day na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

“O programa colabora diretamente para o desenvolvimento do parque industrial brasileiro e incentiva a criação de milhares de empregos, diretos e indiretos”, emendou Aguiar.

‘Amazônia Azul’

De acordo com o Contra-Almirante, o programa de reaparelhamento da Marinha é alinhado com os planos de governo e passam por reavaliação sistemática, observando recursos financeiros.

A ação inclui vários modelos de novos navios e submarinos, além de um sistema de gerenciamento da chamada “Amazônia Azul”.

“Há importantes aspectos de riquezas e responsabilidades no nosso espaço geográfico de interesse”, afirmou Aguiar ao lembrar que a Marinha Brasileira é responsável por uma área de 200 milhas náuticas, o que equivale a 3,6 milhões de Km². “A proposta é aumentar essa zona, obtendo um resultado final equivalente a 4,6 milhões de Km². Seria a verdadeira ‘Amazônia Azul’”, explicou.

O coordenador destacou que o subsolo marinho tem papel fundamental na exploração de petróleo e gás. “Notamos uma crescente evolução das bacias petrolífera no Brasil e a riqueza de óleo e gás vem crescendo nos últimos anos.”

Aguiar falou ainda sobre a importância da área marítima para as importações e exportações: “95% do comércio exterior brasileiro é realizado pelo mar”, afirmou ao lembrar que as atividades pesqueiras na Amazônia Azul contribuem para geração de postos de trabalho.

Ao explicar detalhadamente os projetos de modernização dos novos navios, submarinos e equipamentos, o Contra-Almirante destacou o programa tem grande vulto tecnológico e orçamentário e exige alto grau de comprometimento.

Na opinião de Aguiar, não basta apenas adquirir e construir navios: “Temos que extrair todos os meios de inteligência”.