COBERTURA ESPECIAL - Brasil - Rússia - Defesa

11 de Outubro, 2003 - 18:00 ( Brasília )

Brasil-Russia - Ivanov fala à Imprensa na AVIBRAS




MINISTRO DA DEFESA DA RÚSSIA CONCEDE
ENTREVISTA  NA AVIBRAS

 

O Ministro da Defesa da Federação da Rússia, General Sergei Ivanov, encontra-se em visita oficial ao Brasil desde sexta-feira, 10 de outubro, acompanhado de uma numerosa comitiva formada por oficiais-generais, autoridades civis e jornalistas russos. Na tarde deste sábado, ele e o presidente da Avibras Aeroespacial, engenheiro João Verdi Leite, concederam rápida entrevista para jornalistas brasileiros e russos, no auditório da empresa, em Paraibuna, sábado 11 Outubro, São Paulo.

Abrindo a coletiva, o Ministro Sergei Ivanov fez um agradecimento ao presidente da Avibras, pela visita que realizou as instalações da empresa, na parte da manhã, e também declarou sua impressão pessoal sobre a companhia brasileira.

A entrevista durou cerca de meia hora, em razão da apertada agenda do visitante, que por volta das 15:00 horas embarcou com sua comitiva para o Rio de Janeiro. Na segunda-feira, dia 13 de outubro, ele deverá estar retornando para Moscou.

General Sergei Ivanov - Primeiramente, eu quero agradecer a gentileza da visita organizada pelo senhor João Verdi Leite aqui na Avibras, uma das maiores fabricantes de armamentos não só do Brasil, mas também do mundo. Na minha opinião, o lema que está na bandeira brasileira, Ordem e Progresso, corresponde totalmente à posição desta companhia. Para mim foi interessante ver o posicionamento prático da empresa, onde me foi mostrada, com toda abertura, não apenas sua produção atual, mas também seus projetos e perspectivas. Outro aspecto que considerei importante e interessante foi saber que a Avibras, uma companhia privada, está interagindo com o governo brasileiro, unindo os seus interesses aos do Estado.

Durante a visita, discutimos as perspectivas da cooperação futura entre as empresas do complexo industrial militar da Rússia e a Avibras. Conversamos sobre as possibilidades de comércio, desde a compra e venda dos equipamentos a produzir, à cooperação tecnológica de alta esfera, tanto de aplicação puramente militar, como de produtos, inclusive para trabalhar mercados de terceiros países.

A cooperação com a Avibras está selada, através da Rosoboronexport, e nesta visita complementamos ativamente com o senhor Verdi Leite o desenvolvimento desse trabalho conjunto. E devemos conversar mais, sobre perspectivas maiores nessa cooperação, ou seja, como vamos desenvolver as tecnologias e como deverá ficar o mercado, que nesta visita ficou bem demonstrado. Muito Obrigado.


Engenheiro João Verdi Carvalho Leite - Eu só tenho a agradecer as palavras do senhor ministro. Essa visita nos honrou muito e esperamos ter uma boa cooperação para todos. Obrigado.

Imprensa da Rússia - Gostaria de dirigir uma questão tanto para o senhor ministro quanto para o senhor presidente da Avibras. Como os senhores estimam as chances de concretizar essa cooperação na esfera tecnológica, cujo primeiro objetivo é o desenvolvimento do avião Su-35?

Ministro Sergei Ivanov - Quando eu falei de tecnologia na minha introdução, eu tinha em mente algo mais abrangente. O Su-35 não é uma tecnologia a ser desenvolvida, já é um equipamento pronto, de propriedade de uma empresa russa, inclusive o direito intelectual. Sobre a licitação, foi colocada uma pergunta na conferência de imprensa, em Brasília, em que o senhor ministro da Defesa do Brasil informou que vencerá o melhor. Neste caso a concorrência é muito disputada e tudo pode acontecer. A competição nesse mercado é muito forte e dela participam companhias poderosas em seus respectivos países, uma realidade no mundo. Eu posso dizer que a nossa impressão é que a licitação brasileira é bem transparente, aberta e com condições iguais para todos os participantes. A aplicação da tecnologia depende tanto de um lado quanto do outro para fabricar o seu produto, só que é uma questão de futuro.

Engenheiro João Verdi Leite - Eu endosso as palavras do senhor ministro. Essa concorrência está em curso e nós temos feito um esforço conjunto bastante valioso. É uma concorrência pesada e só futuro vai dizer se nós sairemos vencedores. Obviamente, gostaríamos de dizer que de nossa parte queremos contribuir. Hoje, mais do que nunca, eu tenho a certeza de que no futuro teremos várias avenidas de cooperação tecnológica.

DefesaNet - Ministro, o senhor chegou ontem e a tarde participou de reunião em Brasília com autoridades brasileiras. Qual foi a impressão que o senhor teve desse encontro e o que o Brasil poderia efetivamente colaborar com a Rússia dentro do acordo que foi assinado entre os dois países em abril do ano passado?

Ministro Sergei Ivanov - Primeiro, eu quero dizer do meu prazer em ver aqui um representante de um jornal de tecnologia e defesa, é muito bom saber que o Brasil tem uma publicação nesse campo. É muito bom saber que o Brasil tem uma publicação assim. Sobre o Memorando de Entendimento de 2002, trata-se de um documento que estabeleceu um marco de cooperação entre o Brasil e a Rússia, possibilitando que as duas partes não fiquem limitadas só ao setor aeroespacial. O Memorando nos dá a possibilidade de cooperação em qualquer área de interesse mútuo. Alguns campos de cooperação já estão definidos: as tecnologias aeroespaciais, navais e em outras direções, mas ainda é prematuro falar sobre isso.

Jornal Gazeta Mercantil - Ministro, nesta nova fase da concorrência da FAB o governo da Rússia pretende incluir na proposta de offset das empresas uma parceria mais intensa de tecnologia na área de lançadores de satélites e outras tecnologias que possam interessar ao programa espacial brasileiro. Ainda nesta pergunta, o senhor chegou a conversar com o ministro Viegas alguma coisa relacionada à venda de componentes da plataforma inercial do VLS, já que os primeiros protótipos foram equipados com plataformas inerciais russas? Para o próximo protótipo, eles não teriam como desenvolver isto a tempo de lançá-lo no prazo que foi estimado pelo presidente Lula.

Ministro Sergei Ivanov - Sobre a primeira pergunta, eu sinto que o Sukhoi-35 provoca um grande interesse entre os jornalistas. Este avião é um caça multifuncional, o que quer dizer que é um avião militar que pode desempenhar várias missões, uma grande vantagem, sem dúvida. Citando aqui o exemplo das forças armadas da Rússia, também passamos a usar aviões multifuncionais que permitam reduzir custos e nivelar os sistemas de apoio logístico, o que facilita em muito o funcionamento dos equipamentos. Quanto à segunda questão, o nosso esforço é cumprir os detalhes do que conversamos com o ministro Viegas. Eu gostaria de sublinhar que ele foi convidado a visitar a Rússia para reforçar os entendimentos. O que já discutimos sobre os lançadores de foguetes não é segredo. Mas ainda é um assunto prematuro.

Imprensa da Rússia - Ministro o senhor poderia comentar a declaração do presidente Schervanadze sobre a aplicação unilateral de acordos nucleares da antiga União Soviética?
(Nota O presidente da Geórgia, ex-província da União Soviética tem tido atritos com o atual governo russo)
Ministro Sergei Ivanov -
Primeiramente, eu gostaria de dizer que não comento declaração de chefes de qualquer Estado. O que eu posso dizer é que a nova doutrina militar da Rússia, aprovada pelo nosso presidente, o Ministério da Defesa foi o responsável por sua elaboração e preparou este documento não para desagradar ou agradar a alguém. Tudo está escrito em preto e branco.


NOTA: DefesaNet foirepresentada na entrevista pelo Sr Cosme Degenar Drumond.



Outras coberturas especiais


Especial Espaço

Especial Espaço

Última atualização 24 NOV, 15:00

MAIS LIDAS

Brasil - Rússia