COBERTURA ESPECIAL - Base Industrial Defesa - Aviação

13 de Agosto, 2018 - 01:00 ( Brasília )

DESAER – ATL- 100 Aeronave de Transporte Leve

O avanço do projeto da ATL - Aeronave de Transporte Leve, em desenvolvimento pela DESAER (Desenvolvimento Aeronáutico Ltda), de São José dos Campos.


Equipe DefesaNet
In Memoriam de Cosme Degenar grande apoiador do ATL

 

 
O ATL-100, ou Aeronave de Transporte Leve, sendo projetado pela DESAER - Desenvolvimento Aeronáutico Ltda é revisitando oito meses após, um artigo inicial de DefesaNet. A mudança da realidade da indústria aeronáutica nacional abre janelas de oportunidades para o projeto e encontramos uma equipe confiante e motivada. E é claro com um projeto que avançou significativamente neste período. No grupo de projeto do ATL-100 estão confiantes em especial pela excelente receptividade do projeto no mercado e indústria.

Segundo as palavras do sócio Evandro Fileno: temos recebido muitos contatos de empresas que querem conhecer o projeto. E a receptividade tem sido excelente. Também estamos falando com o potencial cliente, as Foças Armadas.





O projeto do ATL surge quando estamos próximos da comemoração dos 50 anos, do 1º voo do Bandeirante (22 outubro 1968), e a nova aeronave surge como sucessor deste com um projeto atualizado.

O ATL-100 é um avião bimotor de asa alta, tradicional, empenagem convencional, estrutura semi-monocoque com seção central da fuselagem em material metálico, não pressurizado, superfícies de comando, rampa traseira , partes não estruturais em material composto, trem de pouso triciclo fixo e alcance de MTOW 1600 km, podendo operar a partir de pistas curtas e rústicas, com velocidade média de cruzeiro de 380 km/h.

Segundo Fileno, o projeto é 100% brasileiro e pode atender as demandas das Forças Armadas e do transporte aéreo regional do país e de países vizinhos. Ainda segundo o projetista, a aeronave terá baixo custo de aquisição, operação e manutenção, voando em transporte de carga e de passageiros. Por se tratar de aeronave bimotor, enfatiza, apresenta maior segurança de voo em regiões remotas, como a Amazônia.

O projeto ATL-100 vêm tendo uma ótima aceitação no mercado, hoje a DESAER com toda sua estrutura montada para atender o projeto da Aeronave Transporte Leve, o avião está sendo desenvolvido por completo em CAD 3D, estamos usando um software de última geração chamado CREO 4.0 da PTC - Partnervision e tudo que há de mais novo em tecnologia para ter um produto inovador.



A DESAER está instalada no berço da aviação nacional, na INCUBAERO, uma incubadora dentro das instalações da Fundação Casimiro Montenegro Filho, no DCTA – Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial em São Jose dos Campos - SP, tendo todo apoio estrutural e acadêmico do ITA um dos maiores Institutos respeitado de Aeronáutica no Brasil.

Perspectivas Comerciais

As discussões com possíveis clientes regionais e militares, as Forças Armadas, por exemplo, terá uma grande necessidade de um futuro próximo a intensão de aquisição da aeronave ATL-100, assim que cumprir todos os requisitos definidos pelas Forças Armadas, uma  aeronave que empregaria hoje  a mesma função  exercida muito bem pelo EMB-110 (Bandeirante). No ano que se completa 50 anos do 1° voo do Bandeirante, no mesmo local e cidade, está surgindo o novo avião para atender este mercado hoje muito necessitado de aeronaves modernas, mas que cumpra os mesmos requisitos.


Vista lateral do ATL-100 - Observar a áreas livres para movimentação de pessoas e carga

A FAB tem intenção de retirar de serviço os Bandeirantes, em 2025, tanto na versão transporte como Bandeirulha. 

Hoje estamos concluindo os estudos conceituais e cumprindo muito bem o cronograma inicial, definido para o projeto, começamos as negociações de futuros parceiros e fornecedores para atender as aéreas em geral de motopropulsor, interior, avionica e estrutura. Assim como outras partes do avião. Estamos em contato com as principais empresas da área hoje no mercado.

Pelas características do ATL-100 empresas aeronáuticas têm procurado a DESAER, com o propósito de estabelecer uma parceria industrial.    



No mercado da aviação regional e militar hoje necessita de mais de 2000 aeronaves nos próximos 20 anos para repor as existentes e futuras operadoras regionais que busca oferecer interligação de cidades com baixa operacionalidade.

A atenção do mercado vem crescendo bastante pelo o maior atrativo deste avião é ter a rampa de carga traseira, consegue carregar e descarregar o avião em um aeroporto com pouca infraestrutura e até nenhum apoio em solo não será preciso uso de maquinas para movimentar os pallets.

Como uma aeronave dessa categoria está se mostrando um mercado bastante promissor, inclui-se aí o mercado de agronegócio pela capacidade de carga e facilidade de conseguir carregar seu produto na sua propriedade sem ajuda de maquinas.

O estudo inicial da industrialização e fabricação para cumprir todos os requisitos de certificação da aeronave. Assim como acelerar o ciclo e tentar manter o custo total de certificação em um valor que não inviabilize o projeto.

Característica Operacionais

Os projetistas do ATL estão confiantes que a aeronave terá condições de operar em qualquer região do país, a partir de pistas curtas e rudimentares, contribuindo com maior velocidade na integração de municípios mais distantes e isolados dos grandes centros urbanos.





Também terá característica para operar em regiões montanhosas.

Os estudos conceituas do ATL-100 procuram uma integração com diversos modais logísticos. A possibilidade de levar 3 containers LD3, operação de carga e descarga realizada pela porta traseira, que não requer apoio especializado ou estrutura nos aeroportos.





Facilidade de acesso no apoio ao ATL-100 (foto acima) e a movimentação de até 3 containers LD3

Estas características tornam a aeronave ideal para operações de logística para cargas especiais como o serviço de Correios e Valores, em especial adotando uma ação de interiorização além das rotas aeroviárias principais  

Estimam que no prazo de menos de cinco anos a aeronave poderá ser apresentada ao mercado, expectativa que passa necessariamente pelos caminhos da obtenção de financiamento para instalação da complexa estrutura industrial e para as etapas de desenvolvimento, testes de avaliação, homologação.



Os estudos realizados pela DESAER contemplam inclusive a otimização da etapa de produção. 

Desafios


O desafio é maior devido à forte recessão, sem precedentes, que ainda atinge a economia nacional, e as limitações de investimento do governo federal. Segundo os economistas, para reverter quadros de dificuldades dessa intensidade, o incentivo não pode deixar de acompanhar os passos de quem quer empreender e gerar empregos com novas tecnologias e somar-se ao processo de recuperação da economia e de desenvolvimento social do país.

As próximas etapas a serem vencidas pela DESAER com o ATL-100 serão mais desafiadoras, que os pioneiros do histórico voo do Bandeirante enfrentaram há 50 anos. 
 
 Ficha Técnica

 

 

 


 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Guarani

Guarani

Última atualização 13 AGO, 21:00

MAIS LIDAS

Base Industrial Defesa