COBERTURA ESPECIAL - Base Industrial Defesa - Defesa

03 de Maio, 2013 - 10:17 ( Brasília )

Gastos com o setor serão considerados investimentos


Chico Santos e Francisco Góes

Quase dez anos de debates no Conselho de Estatística da Organização das Nações Unidas (ONU) antecederam a colocação no Sistema de Contas Nacionais (SNA, na sigla em inglês) do organismo multilateral da recomendação de que os gastos com "equipamentos bélicos" saíssem da rubrica de despesas do governo e passassem a se considerados parte da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), ou seja, dos investimentos.

A recomendação, que consta do chamado Manual Internacional SNA 2008, será adotada pelo Brasil na revisão metodológica das Contas Nacionais que está sendo feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), órgão responsável pelo cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, prevista para ser divulgada no fim de 2014.

Embora a revisão só deva ser divulgada no fim do próximo ano, a passagem da compra de armamentos da coluna das despesas para a de investimentos do governo já está valendo. Isso porque quando ficar pronta, a nova metodologia será usada para calcular o PIB definitivo, retroativamente, desde 2010. Até lá, o PIB brasileiro de 2010 em diante será provisório, baseado nas Contas Nacionais Trimestrais que agregam menos dados do que as contas anuais.

Segundo o coordenador de Contas Nacionais do IBGE, Roberto Olinto, o Manual 2008 da ONU procura melhorar a classificação dos ativos que compõem o Sistema de Contas Nacionais. Nessa nova classificação, além das compras de "equipamentos bélicos" pelos governos, passam também a fazer parte da FBCF as despesas com softwares, com bancos de dados e também com pesquisa e desenvolvimento (P&D).

Antes, essas três despesas eram classificadas como "consumo intermediário". De acordo com Olinto, depois de longa polêmica dentro do grupo de trabalho que estudou o tema, o debate sobre a classificação dos gastos com equipamentos bélicos foi levada a votação no plenário do Conselho de Estatística da ONU que se reúne anualmente em fevereiro ou março.

De acordo com o líder da equipe técnica do PIB brasileiro, o longo debate foi em torno de questões teóricas e não por insistência de um ou mais patrocinadores poderosos. Mas é um fato que para países como Estados Unidos, Rússia, China e outros, que gastam anualmente pesadas somas em defesa, transferir esses gastos da coluna das despesas pra a dos investimentos representa um ganho de qualidade nas Contas Nacionais, ainda que para a China, que já investe mais de 45% do PIB ao ano (47% no ano passado), a mudança não deva ser significativa.

No Brasil, os investimentos em relação ao PIB ficaram em 18,1% no ano passado, com queda de 1,2 ponto percentual em relação aos 19,3% de 2011. Se o governo levar adiante o apoio ao setor de defesa, ele poderá ser uma ajuda expressiva no rumo de uma taxa de investimento acima de 20%.



Outras coberturas especiais


Brasil - EUA

Brasil - EUA

Última atualização 25 SET, 01:20

MAIS LIDAS

Base Industrial Defesa