09 de Novembro, 2012 - 12:05 ( Brasília )

Aviação

Su-25 iraniano abate em voo drone Predator dos EUA


Fernando Valduga

O Pentágono divulgou na quinta-feira que um desarmado drone militar de vigilância Predator dos EUA foi abatido por jatos militares iranianos na semana passada, no espaço aéreo internacional sobre as águas do Golfo Pérsico.

Os membros do Pentágono salientaram que o drone dos EUA nunca tinha entrado em território iraniano e que todo o incidente ocorreu em espaço aéreo internacional. O drone foi atingido pelos tiros de canhão do avião e não foi capaz de retornar à sua base não revelada na região.

Em uma entrevista no Pentágono, o porta-voz George Little disse a repórteres que o incidente ocorreu na quinta-feira passada, dia 1° de novembro, por volta das 6:50 horário de Brasília, quando um drone Predator desarmado “conduzia uma missão de vigilância de rotina” sobre o Golfo e “foi interceptado por aviões iranianos Su-25 ‘Frogfoot’ e alvejado com disparo dos canhões.”

O incidente ocorreu a 16 milhas náuticas ao largo da costa iraniana, disse Little. O limite reconhecido internacionalmente territorial das águas e do espaço aéreo começa em 12 milhas náuticas da costa de uma nação. Embora pouco revelado sobre onde o incidente ocorreu, um funcionário da Defesa disse que o incidente ocorreu na parte norte do Golfo Pérsico e a leste do Kuwait.

A Casa Branca e o secretário da Defesa, Leon Panetta foram informados do incidente tão rapidamente como aconteceu, assim como os membros relevantes do Congresso. O incidente não havia sido divulgado até esta quinta-feira, quando a CNN foi a primeira a revelar os detalhes do incidente. Little disse que o Pentágono não fala sobre as missões secretas como a que o Predator estava realizando, mas decidiu ir a público com detalhes depois “do vazamento não autorizado.”

Little disse que os Estados Unidos comunicaram ao Irã através de intermediários suíços que “vamos continuar efetuando voos de vigilância sobre águas internacionais no Golfo Pérsico consistente com uma longa prática”.

O incidente pouco detalhado da última quinta-feira é visto como a primeira vez que uma aeronave não-tripulada americana foi abatida sobre as águas internacionais do Golfo Pérsico.

Quando perguntado se os Estados Unidos consideraram os tiros um “ato de guerra”, Little disse que “não entraria em assuntos legais.” Ele acrescentou: “A realidade é que temos uma ampla gama de opções, como eu disse antes, para proteger nossos ativos e nossas forças na região e vamos fazê-lo quando necessário.” Mais tarde, ele admitiu que nenhuma aeronave tripulada americana reagiu ao incidente.

O porta-voz disse que o avião de ataque Su-25 ‘Frogfoot’ interceptara o drone em águas internacionais e, em seguida, disparou contra ele com canhões. Os tiros erraram e o drone retornou para a faixa de 16 milhas náuticas onde foi alvo de tiros novamente, embora os tiros, mais uma vez erraram. Nesse ponto, “o avião iraniano continuou a perseguir o MQ-1 por algum período de tempo antes de deixá-lo voltar para a base.” Pouco acreditava-se que os jatos iranianos perseguiram o drone por pelo menos “vários quilômetros”.

Quando perguntado se os tiros dos iranianos que erraram o drone poderiam ter sido “tiros de advertência,” Little respondeu: “Nossa hipótese de trabalho é que eles dispararam para derrubá-lo. Você vai ter que perguntar por que aos iranianos envolvidos nesta ação.”

“Nós acreditamos que eles dispararam pelo menos duas vezes”, ele acrescentou, “e fizeram pelo menos duas passagens.” Um funcionário da Defesa disse que as aeronave se aproximaram vindo do Irã e registradas por uma das câmeras a bordo do robô. Após o disparo executado pela primeira vez o oficial diz que a aeronave iraniana fez um passe circular em torno do robô para entrar em posição para um outro engajamento.

Little disse que o Pentágono não tinha divulgado o incidente até a reportagem da CNN, porque não fala sobre as missões secretas de vigilância realizadas por drones. “Não há absolutamente nenhum precedente para isto, então esta é a primeira vez que um UAV foi abatido em voo, para nosso conhecimento, por um avião iraniano. Então, eu não gostaria de chamar algum paralelo entre este e incidentes passados. Rotineiramente não divulgamos nossas secretas missões de vigilância.”

Pouco minimizado a idéia de que a Casa Branca poderia ter pedido para que o Pentágono não falasse sobre o incidente por razões políticas, dado isso ter ocorrido tão perto da próxima eleição. “Nós normalmente não comentamos sobre missões de vigilância sigilosas”, disse ele. “E eu não vou entrar em discussão, a nível sigiloso sobre o que ocorreu entre este departamento e a Casa Branca. Eles foram informados no início.”

Um drone RQ-170 de vigilância não tripulado caiu no Irã em dezembro passado. Na época o Irã alegou que tinha sido derrubado (nota defesanet - há especulação, segundo o artigo recomendado abaixo, que o drone em questão foi "sequestrado eletronicamente"), mas as autoridades dos EUA disseram que um problema técnico havia ocorrido com a aeronave durante a realização de uma missão de vigilância secreta sobre o Irã para a CIA.

Fonte: ABC News – Tradução: Cavok

Artigo recomendado:
O tendão de Aquiles dos Vants?