13 de Agosto, 2012 - 09:50 ( Brasília )

Aviação

Força Aérea da Rússia comemora seu centenário


Roman Mamonov

Terminam, este domingo, na Rússia, as solenidades oficiais em homenagem ao centenário da fundação da Força Aérea. Um saturado programa aéreo no aeródromo de Jukóvski (cidade a Sudeste de Moscou) foi o acontecimento central do dia.

Participaram desse show aviões de combate e treino, helicópteros de diversos tipos e, naturalmente, grupos de acrobacia aérea, russos e estrangeiros.

Dezenas de milhares de pessoas foram a Jukóvski para assistir a esse pitoresco show. A envergadura das solenidades impressiona. O show começou com o lançamento de pára-quedistas do bordo dum avião L-410. Estes, seguravam bandeiras enormes da Rússia, do Ministério da Defesa e da Força Aérea.

Depois, sobre o aeródromo do Instituto de Pesquisas Aeronáuticas Gromov (conhecido por aficionados de aeronáutica estrangeiros como sede do salão aeroespacial MAKS) passaram seis aviões Su-25MB que tingiram o céu das côres da bandeira nacional russa. E um grupo de 21 aviões de combate – MiG-29SMT, Su-25SM e Su-27SM3 – passou sobre os espetadores, formando o número 100.

Os espetadores viram hoje bombardeiros supersónicos Tu-22M3, portadores de mísseis, bombardeiros estratégicos Tu-95MS e bombardeiros estratégicos Tu-160. Além disto, participaram do show aviões de transporte An-26, An-12, An-22 Antei e o legendário An-124 Ruslan.

E, naturalmente, não menos legendário biplano An-2. À parte, convém mencionar o programa “retro”, graças ao qual os espetadores puderam acompanhar a história não só da aeronáutica russa, como também de toda a aeronáutica mundial. O repórter da Voz da Rússia, Ilya Kramnik, dá a conhecer suas impressões sobre o show:

O avião mais velho, que hoje levantou vôo, foi o famoso Blériot XI, aparelho construído por um francês, quem foi o primeiro a cruzar o Estreito da Mancha, em 1909, a bordo do avião de construção própria. Os aparelhos desta marca, foram os primeiros aviões da Força Aérea russa. O Departamento militar da Rússia comprou uma dezena e meia desses aparelhos. E pilotos russos estavam aprendendo a voar neles até a Primeira Grande Guerra.

Muita gente gostou do programa histórico. “Os modelos dos tempos da Primeira e Segunda grandes guerras são muito interessantes. É freqüente ver modelos modernos, mas queria muito ver aparelhos mais antigos”, disse um dos espetadores.Naturalmente, provocam especial admiração dos espetadores as atuações dos melhores grupos de pilotagem da Grã-Bretanha, França, Turquia, Polônia, Letônia, Itália e Finlândia. As figuras de acrobacia aérea provocam vivos apláusos e emoções positivas: “É um show muito interessante; é sempre agradável ver os aviões tão de perto. As sensações e os sons são invulgares, sobretudo quando passam os aparelhos modernos”.

A festa culminará com a atuação dos grupos de acrobacia aérea mundialmente conhecidos - Russkie Vitiazi, a bordo dos aparelhos Su-27, e Striji, a bordo dos Mig-29.