11 de Julho, 2012 - 10:46 ( Brasília )

Aviação

Rússia retoma a produção do avião IL-76

Na Rússia reinicia-se o fabrico de aviões de carga pesados IL-76, devendo a produção em série ser retomada em 2014.

Na URSS, os aviões de carga IL-76 eram montados na empresa aeronáutica de Tashkent, capital do Uzbequistão soviético, enquanto que 90% dos seus componentes se fabricavam na Rússia. Tal formato de produção se conservou também no período pós-soviético.

Depois da proclamação da independência, a empresa de Tashkent degradou, perdendo quadros qualificados e as capacidades produtivas. Em 2005, o descalabro sofrido pela fábrica provocou a anulação de um contrato de longo prazo russo-chinês que previa o fornecimento de 34 aviões IL-76 e quatro aeronaves tanque de reabastecimento aéreo IL-78.

Em 2010, a empresa entrou na fase de falência e em junho de 2012 a produção de aviões acabou por parar. Após o fracasso do contrato de 2005, a Rússia transferiu a montagem de aviões para o seu território, a saber, para a empresa Aviastar na cidade de Ulianovsk, que antigamente era responsável pelo fabrico de aviões pesados soviéticos An-124. Simultaneamente, projetava-se a nova modificação do IL-76 que devia possuir características mais elevadas. O primeiro engenho voador deste tipo produzido em Ulianovsk foi entregue para a realização de testes, constata o perito do Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias, Vassili Kashin.

"O IL-476 tem um aspecto semelhante às modificações anteriores, apesar de terem sido modernizados vários sistemas e blocos. Possui quatro propulsores econômicos, a carga útil aumentou de 47 para 52 toneladas, sendo a autonomia de voo igual a 5000 km. O novo engenho tem um novo sistema de comando e a nova carlinga."

O IL-476 engrossará o parque da aviação militar de carga que necessita de 100 aviões do gênero. A China continua interessada em aquisição de aviões de carga pesados apesar de prosseguir as obras de projeção do engenho Y-20, adianta Vassili Kashin.

"Presentemente , a China se empenha na projeção do Y-20, devendo esse ser produzido pela corporação aeronáutica de Xian. Quanto ao peso, a aeronave chinesa poderá exceder um pouco o IL-76. Espera-se que o Y-20 efetue o primeiro voo em 2012, podendo a data de voo ser relacionada com o 18º Congresso do PCC."

Nas palavras de Kashin, a Rússia e a China poderão firmar um novo contrato de entrega de aviões russos IL-476 antes que os Y-20 chineses entrem em serviço na FA nacional. A China é capaz de adquirir aeronaves tanque russos, dado que a sua FA tem vindo a aumentar o número de exercícios de reabastecimento aéreo. Note-se que a avião tanque chinês, produzido com base em bombardeiro H-6, não preenche na integra todos os requisitos modernos.