29 de Maio, 2012 - 10:27 ( Brasília )

Aviação

MAPLE FLAG – C-130 da FAB realiza primeiro voo no exercício


A aeronave C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou nesta segunda-feira (28/5) o primeiro voo de treinamento no exercício Maple Flag, promovido pela Força Aérea Canadense, na Base de Cold Lake.

Pela manhã, o avião do Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1o GTT) voou em uma formação com mais duas aeronaves C-160 Transall da Força Aérea Francesa. Durante o voo, a tripulação brasileira teve que realizar formaturas táticas, a fim de vigiar as aeronaves da formação e simular a defesa contra caças inimigos. Também foi feito o treinamento de lançamento de CDS (conteiner delivery system), além de aproximação em pista curta com arremetida no ar.

No retorno da missão, foi feito treinamento de pouso tático, com aproximação em alta velocidade à baixa altura perpendicular à pista de pouso (off set shallow), manobra realizada pela primeira vez pelo C-130 da FAB.

Esta foi a primeira de diversas missões previstas para as próximas duas semanas de exercício. Para o Major Aviador Osmário Jorge Souza Cabral, comandante da aeronave, todos estavam muito ansiosos pelo primeiro voo. "Na verdade, essa missão iniciou em janeiro, com muito estudo de inglês e participação em duas manobras no Brasil. Tivemos uma preparação minuciosa para que pudéssemos aproveitar o exercício ao máximo. Todos estavam ansiosos, mas conseguimos desempenhar muito bem essa primeira missão", disse.

No debriefing do voo, o Major Cabral revela que os brasileiros receberam elogios dos franceses, que lideraram a formação. "Recebemos elogios dos pilotos franceses, que disseram que nosso voo foi muito bom. É essencial termos esse intercâmbio com militares que voam em operações reais, como na Líbia. Eles têm o que há de mais atual em doutrina de emprego. Aqui, estamos aprendendo como enfrentar ameaças reais", completou.

Durante a Maple Flag, a aeronave da FAB deve realizar dois voos por dia, com saídas pela manhã e à tarde. Além do Brasil, participam do exercício as forças aéreas da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido e Nova Zelândia, além da África do Sul, Austrália e México, que vieram como observadores.