14 de Maio, 2012 - 11:08 ( Brasília )

Aviação

Força Aérea dos EUA entre duas gerações de caças


A cessação da produção em série dos caças F-22 pode coincidir com o início de sua carreira em combates reais. Muitos especialistas acreditam que a transferência desses aviões para os Emirados Árabes Unidos significa a preparação para um ataque ao Irã. Entretanto, aviões da nova geração estão enfrentando problemas técnicos. Alguns pilotos da Força Aérea norte-americana se recusam a voar nessas máquinas.

O último, 187º, caça F-22 já foi entregue à Força Aérea dos EUA. A cessação da produção em série do F-22 estava planejada há muito tempo. Os recursos econômicos dos EUA não permitem continuar comprando aviões no valor de mais de 300 milhões de dólares por unidade. Mas a linha de produção na fábrica da Lockheed Martin em Marietta, Geórgia, será mantida. Dada a situação atual relativamente ao desenvolvimento e fornecimento de novos equipamentos para a Força Aérea dos EUA, é possível que a produção do avião seja retomada.

Além do custo, há também críticas sobre a confiabilidade da máquina. Muitos acham que o F-22 não é o projeto mais bem sucedido. E argumentam essa opinião pelo baixo nível de preparação da frota dessas aeronaves, seu alto custo de manutenção, e possibilidades limitadas de trabalho com alvos terrestres.

No entanto, o F-22 não é assim tão sem esperança como o estão tentando apresentar. A prontidão para combate da frota de F-22 é atualmente de 68%, o que excede o nível médio de prontidão de aeronaves da Força Aérea dos EUA – 64,5%.

“Em geral, o F-22 pode ser considerado um projeto maduro e bem sucedido – disse à Voz da Rússia Ivan Kudishin, editor-chefe do semanário “Tecnologia de Aviação e Mísseis” do Instituto Central de Aerohidrodinâmica (TsAGI na sigla russa). – As principais desvantagens desta máquina estão sendo gradualmente eliminadas, sua capacidade de combate também está aumentando. Em particular, é necessário notar o aumento das capacidades de trabalho com alvos terrestres graças à adoção de bombas de pequeno diâmetro SDB-II.

No entanto, subsistem algumas deficiências difíceis de explicar em termos de lógica comum. Em particular, o sistema de oxigênio do F-22, onde em vez de um cilindro tradicional é utilizado um gerador de oxigênio. Problemas com este sistema já causaram pelo menos um desastre e alguns pré-requisitos para acidentes de voo, e a necessidade de sua substituição por algo mais familiar é evidente. Dado o número relativamente pequeno de F-22, essa modernização não custará demasiado caro.”

Anteriormente, o general Mike Hostage, chefe do Comando de Combate Aéreo na base da Força Aérea em Langley, na Virgínia, disse que um “muito pequeno” número de pilotos pediram para serem retirados de voos em caças de quinta geração ou transferidos para outras máquinas. O comando da Força Aérea e a NASA estão investigando as causas dos problemas com o gerador de oxigênio.

A cessação da produção do F-22 deixa a Força Aérea dos EUA com apenas uma máquina de série de nova geração para o futuro próximo – o F-35. Em paralelo com a continuação de testes, esta máquina já está sendo produzida em série limitada. No entanto, as capacidades limitadas do aparelho, seu alto custo, e o adiamento contínuo do prazo de sua adoção e do lançamento de produção em grande série ameaçam uma falha grave no fornecimento de novos equipamentos à Força Aérea dos EUA.

Já é evidente que o F-35 é incapaz de substituir os caças pesados F-15. Para isso, ele tem um alcance insuficiente e capacidades limitadas para a colocação de armamentos, pois tem menos pontos de suspensão que o F-15.

Entretanto, a ameaça de ter que enfrentar um inimigo com uma frota moderna aumentará significativamente para os EUA na próxima década. Dado isso, se pode supor que a retoma da produção do F-22 é altamente provável, especialmente se os EUA se recusarem a reduzir seus gastos militares.

A transferência dos F-22 para os Emirados Árabes Unidos já causou muita especulação, sendo a principal suposição que se trata de uma possível preparação para sua utilização contra o Irã. Realmente, tal possibilidade existe e, mais ainda, faz todo o sentido.

A Força Aérea do Irã está hoje seriamente enfraquecida por anos de sanções sobre a venda de armas ao país. Apesar disso, o Irã tem cerca de 20-25 caças F-14 fornecidos no final da década de 1970 prontos para combate. Estas máquinas têm um radar de grande potência e mísseis ar-ar de grande alcance, tornando-os uma séria ameaça para aviões de sua geração. O F-22, por sua vez, sendo pouco visível, tem a chance de chegar bastante perto do F-14 para usar seus próprios mísseis sem ser detectado.

Assim, uma possível campanha iraniana poderá ser para o F-22 uma guerra na qual ele irá executar exatamente o trabalho para o qual foi concebido – conquistar a superioridade aérea. Ironicamente, seus adversários podem ser máquinas americanas iguais, mesmo que obsoletas.