22 de Agosto, 2003 - 12:00 ( Brasília )

Aviação

FAB - Capacidade estratégica comprovada


22 Agosto 2003

O vôo de longa duração da Força Aérea Brasileira, realizado com duas aeronaves A-1 do Terceiro Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (3°/10° GAV), Esquadrão Centauro, da Base Aérea de Santa Maria (RS), foi um sucesso. Chegou hoje (22/08) em Natal, exatamente no horário previsto: às 17h15.

Na chegada, as aeronaves foram interceptadas por outros dois A-1 da mesma Unidade, que fizeram passagens sobre o Forte dos Reis Magos e sobre a pista de pouso. Logo no desembarque os pilotos concederam entrevista para a imprensa, e foram recepcionados por integrantes das Unidades Aéreas da Base Aérea de Natal (1°/4° GAV e 2°/5° GAV), por um médico do Esquadrão de Saúde, pelo Comandante da BANT e também pelo Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER).

A missão, que teve início às 7h15 em Santa Maria (RS), sobrevoou a Região Centro-Oeste, contornou o Cabo Orange, Estado do Amapá, e chegou, por fim, à Natal (RN), teve a duração de dez horas de vôo, sem escalas, e percorreu cerca de 6.800 Km. Em termos comparativos, esta distância corresponde, por exemplo, aos trechos Paris-Moscou-Paris ou Roma-Bagdá-Roma.

Para cumprir esse longo percurso, os A-1 foram reabastecidos em vôo, três vezes, por uma aeronave KC-137 (Boeing 707) do Segundo Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (2°/2° GT), Esquadrão Corsário, da Base Aérea do Galeão (RJ). A missão estava planejada para ser executada com dois KC-137, mas um deles foi deslocado para a Suiça, com a finalidade de transportar o corpo do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, representante da ONU no Iraque.

O objetivo desse vôo de longa duração é o de avaliar a capacidade das equipagem de combate e da aeronave A-1 de cumprirem missões de cunho estratégico.

A capacidade de cumprir missões estratégicas é uma característica de grande interesse para as forças aéreas no mundo de hoje e o A-1, que é uma aeronave estratégica, concebida e produzida no Brasil pela EMBRAER, está comprovadamente aprovado nesse perfil de vôo.


Nota Defesanet-- A operação realizada pela FAB segue o padrão atual de missões de longa duração. Ações das forças de coalizão no Afeganistão tinham como um tempo médio de 7 a 10 horas de vôo. Incluindo, como na atual missão várias operações de reabastecimento em vôo ( REVO).

Como comparativo está indicado no mapa as missões já realizadas com caráter estratégico por aviões A-1 (AMX). Na Operação Querari (1999), partindo do Rio de Janeiro atingiram a Cabeça do Cachorro. Na OPERAER (NOV2002) a média de horas de vôo em missão já era de 3 a 4 horas para os aviões com capacidade de reabastecimento.