21 de Março, 2012 - 09:21 ( Brasília )

Aviação

Embraer cresce entre os países vizinhos


Virgínia Silveira

A combinação entre crescimento econômico consistente e acima da média mundial e uma melhor distribuição de renda transformaram a América Latina e o Caribe em um dos mais importantes mercados de vendas de jatos para a Embraer. A região, que até 2003 tinha participação zero nos negócios da companhia, respondeu por 33% das entregas de E-Jets (como são conhecidos seus jatos comerciais de 70 a 122 assentos) da Embraer em 2011, com 35 aeronaves.

Atualmente, segundo o diretor de vendas da empresa para a América Latina e Caribe, Eduardo Munhoz de Campos, nove companhias aéreas da região operam um total de 137 jatos Embraer. "Esses aviões cobrem 194 destinos, com 682 voos diários e já transportaram mais de 39 milhões de passageiros desde 2005", ressalta o executivo.

O executivo da Embraer destaca que a região está vivendo um período de pleno emprego e a população está viajando mais de avião do que de ônibus. "O número de voos per capita no Brasil, por exemplo, chega a ser oito vezes menor que o dos Estados Unidos, o que significa que ainda existe um grande potencial de crescimento no nosso mercado". No ano passado, diz ele, cerca de 140 milhões de passageiros optaram por viajar de avião, dos quais 80 milhões somente no Brasil.

Segundo Munhoz, a companhia brasileira tem hoje uma participação mais concentrada na América Latina e Caribe do que no restante do mundo. A participação no mercado mundial da companhia no segmento de jatos comerciais no segmento de 60 a 120 lugares hoje é de 42%, enquanto que na região esse percentual aumenta para 72%.

Na avaliação da Embraer, segundo Munhoz, a América Latina é a região que mais vai crescer em vendas nos próximos 20 anos, com um índice médio 7,2%. Nos países mais desenvolvidos, por sua vez, como a América do Norte e a Europa, a demanda mundial de transporte aéreo será menor, com um índice entre 3,5% e 4,4%, em função da maturidade desses mercados e também devido a uma recuperação mais lenta da economia.

Este ano, a Embraer prevê entregar um total de 22 jatos na América Latina e no Caribe. Munhoz explica que, embora o número seja menor que o de 2011, não significa que houve uma queda, pois o ano passado foi considerado um ano extremamente atípico em termos de entregas.

As brasileiras Azul e Trip são líderes mundiais em utilização dos E-Jets da Embraer, com uma média de operação diária de 11 a 14 horas. Em fevereiro, a Azul confirmou a opção de compra de mais dez jatos Embraer 195, que faziam parte de um contrato firmado com a empresa em outubro de 2011. Na ocasião, a companhia aérea havia adquirido onze aeronaves do mesmo modelo.

A Azul é a terceira maior companhia aérea do Brasil e atende atualmente a 44 destinos, com mais de 350 voos diários no país, sendo responsável por quase 10% do tráfego doméstico de passageiros. A empresa opera uma frota de 38 jatos da Embraer, entre os modelos E190 e E195, além de nove turboélices.

Nos últimos sete anos, a posição da Trip nesse segmento saltou de 14% para 71%, tornando a companhia na maior operadora brasileira de aviões com menos de 100 assentos. A companhia opera atualmente 19 jatos da Embraer com os quais cobre 90 destinos no Brasil.
Segundo estimativa da Embraer, em 2012 a receita da companhia deve atingir entre US$ 5,8 bilhões e US$ 6,2 bilhões. A aviação comercial responderá por US$ 3,7 bilhões a US$ 3,8 bilhões desse total. A região da América Latina e do Caribe devem responder por entre 15% e 16% da receita prevista para 2012, algo em torno de US$ 600 milhões. Em dez anos, segundo Munhoz, a previsão é que esse percentual cresça para até 20%.

Na região, a Embraer disputa o mercado com a canadense Bombardier, a russa Sukhoi e a europeia Airbus, embora esta última não seja um concorrente direto. "Algumas companhias ainda operam o modelo A318, que já não é mais fabricado, mas em algumas rotas na faixa de 120 assentos, o A320 disputa com os E-Jets da Embraer", comentou Munhoz.

O executivo explica que as rotas com menos de 120 assentos representam de 69% a 72% dos voos realizados em toda essa região e os aviões da Embraer são os mais adequados para operar nesse segmento, porque dão melhor resultado econômico-financeiro para as companhias aéreas. "As empresas que mais crescem na região são justamente as que utilizam os E-Jets Embraer, como a Azul, a Trip, a Copa Airlines, entre outras", disse.

O índice de disponibilidade dos jatos da Embraer, diz Munhoz, é de 99,8%, ou seja, apenas 0,2% dos voos - ou dois voos a cada mil - têm de ser cancelados por algum motivo técnico. "O nível tecnológico dos nossos aviões, o conforto da cabine de passageiros e a capacidade de resposta rápida às necessidades dos clientes estão entre nossos principais diferenciais", afirma.