29 de Março, 2019 - 10:00 ( Brasília )

Aviação

ALA 3 troca o camando nessa segunda-feira, dia 1º


A Ala 3 realiza, na próxima segunda-feira dia 1º de abril, às 10h30, a Cerimônia Militar de Passagem de Comando do Brigadeiro-do-Ar ARNALDO Silva Lima Filho ao Brigadeiro-do-Ar Raimundo NOGUEIRA Lopes Neto.

A cerimônia será presidida pelo Comandante de Preparo da Aeronáutica (COMPREP), Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Egito do Amaral e contará com a presença de autoridades civis dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário e militares das três Forças Armadas e Forças Auxiliares.

O novo comandante, Brigadeiro Nogueira, é natural do Rio de Janeiro (RJ). Iniciou a carreira militar em 1º de fevereiro de 1984 e promovido ao posto de Brigadeiro do Ar (General duas estrelas da FAB) em 31 de março de 2017.

Antes de assumir a Ala 3, ocupou o cargo de Chefe da Subchefia de Avaliação e Doutrina do Comando de Preparo (COMPREP) em Brasília. Possui mais de 2.200 horas de voo nas aeronaves T-23, T-25, T-27, AT-26, A-1, C-95 e C-97.

Comandar uma das Unidades Militares mais operacionais da FAB é um cargo de grande importância na carreira militar. Com mais de 75 anos de bagagem adquiridos da união das Organizações Militares Base Aérea de Canoas e Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR), a Ala 3 conta com 3 Esquadrões Aéreos (Caça, Transporte e Patrulha Marítima) além de mais 12 unidades sediadas e jurisdicionados.

Ativada em 15 de dezembro de 2016 e com data de Aniversário oficializada dia 21 de agosto, a Ala 3 já foi comandada por dois Oficiais Generais da FAB: Tenente-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas (atual Comandante do Departamento de Controle do Espaço Aéreo – DECEA) e Brigadeiro do Ar Arnaldo Silva Lima Filho, que passa o Comando agora, após os dois anos de praxe na carreira do Oficial.

A Ala 3 foi a segunda Ala ativada na FAB, de um total 15, de acordo com o Projeto de Reestruturação da Força Aérea (2015-2016), que visa uma Força mais operacional e compacta, com o intuito de aperfeiçoar o cumprimento da missão da Aeronáutica que é manter a soberania do Espaço Aéreo e integrar o território nacional com vistas à defesa da pátria.

A Solenidade Alusiva a Transmissão de Cargo, uma das mais tradicionais e completas cerimônias militares das Forças Armadas, com uma tropa de mais de 800 militares, também marca a despedida do serviço ativo do Brigadeiro Arnaldo, após 38 anos dedicados a Força Aérea.

Dentre os cargos exercidos, além de Comandante da Ala 3 (2017-2019), ele também foi Chefe do Centro Conjunto de Operações Aéreas do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Voou mais de 2300 horas em aeronaves de Caça, das quais mais de 1000 horas nas aeronaves Mirage III e Mirage 2000.

ALA 3

Com Esquadrões de voo os quais cumprem diferentes missões, a Ala 3 é considerada uma das mais operacionais e mais completas da Força Aérea Brasileira. Com sede nas instalações da antiga Base Aérea de Canoas, atualmente, nela estão sediadas as seguintes Unidades Militares:

1) Grupo de Segurança e Defesa (GSD): antigo Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial de Canoas (BINFAE-CO) é responsável pelas ações de segurança das instalações militares, pela Polícia da Aeronáutica e pela autodefesa de superfície no contexto de rotina, assim como nas diversas operações e exercícios dos Comandos Superiores, de modo a contribuir com a capacidade militar de proteção da Força e com a missão atribuída à Ala 3, preservando seus equipamentos, instalações e pessoal.

2) 1º Grupo de Defesa Antiaérea (1º GDAAE) – Esquadrão Laçador: responsável pela defesa antiaérea das instalações militares e pontos sensíveis, podendo atuar em qualquer parte do território brasileiro, a fim de contribuir para a defesa Aeroespacial Brasileira.

3) 1º Esquadrão do 14º Grupo de Aviação (1º/14º GAV) – Esquadrão Pampa: unidade de caça que tem por missão a defesa do espaço aéreo no cone sul do Brasil. Realiza, também, missões de ataque, supressão de defesa aérea inimiga, escolta e varredura, operando seus vetores de combate, a fim de executar os planejamentos emanados do COMPREP.

4) 5º Esquadrão de Transporte Aéreo (5º ETA) – Esquadrão Pégaso: efetua missões de transporte aéreo de pessoal e material, de ajuda humanitária e evacuação aeromédica, além de auxiliar em nobres missões de transporte de órgãos.

5) 2º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação (2º/7º GAV) – Esquadrão Phoenix: realiza missões de patrulha marítima, monitoramento do tráfego marítimo, pesca ilegal e, principalmente, missões de busca e salvamento, integrante do sistema SISSAR, responsável pela localização e resgate de embarcações e tripulações desaparecidas no território marítimo brasileiro. Chegou à ALA 3 em fevereiro de 2017, vindo da Base Aérea de Florianópolis.

6) 2º Esquadrão do 1º Grupo de Comunicações e Controle (2º/1º GCC) – Esquadrão Aranha: unidade de radares empregada na detecção e controle de aeronaves, podendo se deslocar e atuar em todo o território nacional.

7) Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Canoas (DTCEA-CO) – Esquadrão Coruja: responsável pelo controle do tráfego aéreo na área da ALA 3. Em constante comunicação com o  Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Porto Alegre (DTCEA-PA) localizado no Aeroporto Internacional de Porto Alegre.

8) Esquadrão Logístico da ALA 3 (ELOG): responsável pelo apoio logístico de material e pessoal no âmbito da ALA 3, com vistas à manutenção de aeronaves, à manutenção de sistemas bélicos, à gestão de suprimento aeronáutico e bélico, ao apoio de embarque e desembarque de cargas e passageiros, ao apoio de pista e ao treinamento em simuladores.

Unidades Militares jurisdicionadas (com sede nas antigas instalações do antigo V COMAR):

9) Grupamento de Apoio de Canoas (GAP-CO): é responsável pela execução das atividades de apoio administrativo das Organizações Militares do complexo da Ala 3 e de seus militares, no tocante às áreas de Licitações, Contratos, Convênios e Instrumentos congêneres, Transportes, Finanças, Subsistência, Almoxarifado, Patrimônio Móvel e Imóvel, Telefonia, Pessoal, Protocolo, Tecnologia de Informação e Serviços Gerais.

10) Hospital de Aeronáutica de Canoas (HACO): é responsável por prover saúde nas áreas preventiva, assistencial e de campanha aos militares e seus dependentes na área do cone sul, em tempo de paz ou conflito.

11) Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V): abrange o planejamento, o gerenciamento e a execução das atividades de investigação e prevenção de acidentes aeronáuticos, cujo objetivo é reduzir os índices estatísticos para elevar o nível da Segurança de Voo no Brasil, em estreito alinhamento com as recomendações e preceitos da Organização Internacional de Aviação Civil (OACI).

12) Prefeitura de Aeronáutica de Canoas (PACO): responsável por administrar os imóveis residenciais pertencentes à União, destinados à moradia temporária dos militares da ativa da Guarnição de Aeronáutica de Porto Alegre e Canoas, acompanhados de seus respectivos dependentes legais.

13) Destacamento de Infraestrutura da Aeronáutica de Canoas (DT-INFRA-CO): responsável por planejar, coordenar, executar e controlar as atividades relacionadas ao patrimônio imobiliário e à engenharia na Região Sul.

14) Serviço de Recrutamento e Preparo de Pessoal de Canoas (SEREP-CO):  responsável pela gestão de recursos humanos nas atividades ligadas ao Serviço Militar, ao recrutamento e seleção de profissionais de saúde, profissionais voluntários do quadro de convocados pertinentes a outras áreas ou de conscritos, passando pela incorporação e adaptação dos mesmos à vida militar, até o controle da reserva mobilizável da Força Aérea Brasileira.

SAIBA MAIS...

QUINTO COMANDO ÁEREO REGIONAL (V COMAR) 1941-2016.


Nove meses após a criação do Ministério da Aeronáutica, no dia 25 de outubro de 1941, foram criadas as Zonas Aéreas com a missão de exercer autoridade militar direta sobre todas as forças, serviços, estabelecimentos e atividades aeronáuticas, dentro dos limites geográficos das respectivas zonas e do espaço aéreo a elas correspondente.

Entre elas estava a 4ª Zona Aérea, que já compreendia os três Estados da  Região Sul e estava sediada em Porto Alegre. Em março de 1942 passou a ser denominada 5ª Zona Aérea. Comandado inicialmente pelo posto de Coronel Aviador, em 7 de agosto de 1944, por meio do Decreto n.6.796, passou a ser função privativa do posto de Major-Brigadeiro.

Em 30 de janeiro de 1953 o Quartel General transferiu sua sede  para o aeródromo de Canoas. Em novembro de 1973, pelo Decreto n.73.151, as Zonas Aéreas passaram a ser denominadas Comandos Aéreos e pela Portaria n.125-GM3, de 4 de dezembro de 1973, foi então ativado o Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR).

O V COMAR teve seu nome modificado algumas vezes e, tantas outras, mudou-se de sede. Com o passar do tempo, diversas unidades foram criadas sob sua jurisdição, em virtude da evolução da atuação da própria Força Aérea Brasileira.

Assim os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul chegaram ao século XXI sediando mais de 30 Unidades de Aeronáutica, entre Bases Aéreas (Canoas, Santa Maria e Florianópolis), Esquadrões de Voo, Batalhões de Infantaria, Unidades responsáveis pelo controle do espaço aéreo e comunicações como o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II) e os Destacamentos de Controle do Espaço Aéreo, Prefeituras de Aeronáutica, além de um Hospital e de um Serviço de Investigações e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. O QG do V COMAR desempenhou funções administrativas de apoio às Unidades operacionais, bem como coordenou as relações institucionais com a comunidade e órgãos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

BASE AÉREA



BASE AÉREA DE CANOAS (BACO) 1944-2016.

A Base Aérea de Canoas tem sua origem no 3º Regimento de Aviação do Exército (3º RAv), transferido de Santa Maria para Canoas em 1937. Com a criação do Ministério da Aeronáutica, em 1941, o 3º RAv, transferido do Exército para a Aeronáutica, passa a denominar-se  Base Aérea de Porto Alegre.

Em 21 de agosto de 1944, por meio do Decreto n.6.814, é extinto o 3º RAv e criada a Base Aérea de Canoas, estrategicamente localizado no Sul do país, obedecendo às necessidades da segurança nacional.

Nascida durante a 2ª Guerra Mundial, responsável pela formação de muitos que voaram e lutaram naquele conflito, desde cedo a Base Aérea de Canoas inspirou em seus integrantes a ideia de ser uma Organização Militar forte, idealista, comprometida com seu objetivo fim, que é voar e fazer voar, apoiando irrestritamente aqueles que nela operam, quer permanentemente ou temporariamente. Desta forma, é considerada uma das Bases mais operacionais da Força Aérea Brasileira, justificando seu lema: “Aqui se cultua a eficácia”.

PROJETO ESCOLAS
(PROGRAMA DE VISITAÇÕES A ALA3)

Em função desta diversificação de atividades das Unidades sediadas, subordinadas e jurisdicionadas, a Ala 3, considerada uma das mais operacionais e mais completas da Força Aérea Brasileira, abre suas portas para Instituições Educacionais, para visitas de alunos e professores, no intuito de divulgar a missão da Força Aérea Brasileira e, também, como um incentivo às crianças e adolescentes a seguirem a carreira militar, atendendo ao Programa Profissão, do CECOMSAER – Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, intitulado na Ala 3 como Projeto Escolas.

COMO FUNCIONA?

As solicitações de visitas das instituições de ensino deverão ser enviadas por e-mail (scs.ala3@gmail.com). O próximo passo será o agendamento de uma data, dentro do período solicitado, assim como o envio das informações solicitadas por esta Organização Militar, para a efetivação da visita às nossas instalações, a fim de que os visitantes retornem para seus lares sabedores do comprometimento e do profissionalismo que os homens e mulheres militares da FAB possuem e colocam em prática no intuito de cumprir a nobre missão de servir à Pátria, além de conhecerem de perto as aeronaves e os equipamentos que fazem parte do acervo de suas Unidades Sediadas.

As visitas possuem duração de, aproximadamente, duas horas e meia, nos turnos da manhã ou tarde, de terça a quinta-feira, com capacidade máxima de 45 alunos e 5 professores. Durante a visita, os alunos assistem a um vídeo sobre a atividade da Força Aérea no Brasil, assim como as atividades da Ala 3 em Canoas e Porto Alegre, percorrem as instalações do Comando e área operacional, onde se encontram as aeronaves.

De acordo com a rotina de missões da Ala 3, os alunos poderão ter a oportunidade de verem de perto a decolagem de uma aeronave de caça, mergulhar na rotina operacional vestindo uma roupa anti-G e capacete utilizados pelos pilotos. Poderão, também, ter a oportunidade de entrar em uma aeronave de transporte da FAB, a mesma que realiza as nobres missões de transporte de órgãos pelo País, entre outras atividades.

Após a visita, os alunos receberão um kit contendo algumas réplicas das aeronaves da FAB para recortar e montar e gibis da turma da Mônica versando sobre segurança de voo. Os professores receberão um kit com publicações da FAB com conteúdo institucional para trabalharem em sala de aula com os alunos, assim como um folder com orientações sobre as formas de ingresso na Força, caso os alunos tenham interesse em seguir a nobre profissão militar. (O folder contém informações sobre as Escolas e Academia da Força Aérea, onde a idade mínima de ingresso, tanto para meninos como meninas, é a partir dos 14 anos, podendo o jovem cursar o ensino médio em uma das melhores instituições de ensino do País, já com uma profissão e remuneração garantidas).

A Ala 3 aguarda de braços abertos os visitantes para conhecer nossa rotina, aeronaves e o trabalho aqui realizado em prol da defesa e da segurança do Território Nacional e do Povo Brasileiro.