07 de Dezembro, 2016 - 11:50 ( Brasília )

Aviação

Gerente da Lamia, dona do avião da Chapecoense, é preso na Bolívia

Funcionária boliviana que examinou plano de voo da Lamia pede refúgio ao Brasil

O gerente geral da companhia aérea Lamia, Gustavo Vargas, cuja aeronave caiu na Colômbia matando 71 pessoas, entre as quais a delegação da Chapecoense e vários jornalistas brasileiros, foi preso nesta terça-feira junto com outros dois funcionários da empresa, informou o Ministério Público.

Vargas foi transferido aos escritórios do Ministério Público Departamental (estadual) de Santa Cruz (leste), onde fica a sede da empresa. O promotor Iván Quintanilla, membro da comissão que investiga a Lamia, já tinha antecipado mais cedo que emitiu ordem de prisão contra os envolvidos no caso.

"Com fins investigativos, foram presos (além de Vargas) a secretária e o mecânico da empresa; se há elementos e indícios que podem ser relacionados dentro do presente caso, o Ministério Público aplicará o Código Penal, se não, será ordenada a cessação da detenção", explicou Quintanilla à imprensa, detalhou o jornal Los Tiempos em seu site.

Nesta terça-feira, a Direção Geral de Aeronáutica Civil (DGAC) retirou documentos dos escritórios da Lamia, que estão sob intervenção das autoridades, segundo informes da imprensa.

A Lamia é investigada por suposta responsabilidade no acidente do avião que caiu em Medellín com 77 pessoas a bordo e deixou 71 mortos e seis sobreviventes.

O próprio Vargas tinha admitido dias antes ao jornal Página Siete que a aeronave, um BA-146 modelo RJ85, deveria ter sido reabastecida na cidade boliviana de Cobija, no extremo norte do país, para prosseguir viagem até a Colômbia.

A Bolívia encontrou indícios de irregularidades no funcionamento e nas operações da Lamia, segundo o ministro de Obras Públicas e Serviços, Milton Claros. Como primeira medida destituiu altos funcionários aeronáuticos.

Uma das principais hipóteses é que a aeronave caiu porque ficou sem combustível pouco antes de chegar ao aeroporto de Rionegro, que atende a Medellín, destino do voo. A funcionária que aprovou o plano de voo, apesar de supostamente ter observado problemas na quantidade de combustível, pediu refúgio no Brasil.

Funcionária boliviana que examinou plano de voo da Lamia pede refúgio ao Brasil

A técnica da Administração Aeroportuária da Bolívia, que examinou o plano de voo do avião da Lamia, que caiu em Medellín com a delegação da Chapecoense, matando 71 pessoas, pediu refúgio ao Brasil, temendo possíveis represálias em seu país, onde é processada.

"Celia [Castedo] pediu refúgio no Brasil ontem em Corumbá [Mato Grosso do Sul, na fronteira com a Bolívia]", informou nesta terça-feira à AFP uma porta-voz do Ministério Público em Brasília.

A solicitação da ex-funcionária da AASANA (Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea) tramita em sigilo, já que Castedo teme possíveis consequências na Bolívia contra ela ou sua família, informou a mesma fonte.

A Justiça no Brasil não explicou, por isso, os motivos que levaram Castedo a pedir refúgio no país.

Após seu pedido de refúgio, Castedo poderá permanecer legalmente no Brasil até se entrevistar com o organismo do ministério da Justiça que analisa as solicitações (Conare), um processo que poderá se estender por um ano.

Com seu novo status, a Bolívia deverá pedir às autoridades brasileiras sua extradição caso determine que a conduta de Castedo - que supostamente fez observações sobre o voo acidentado da Lamia - foi negligente ao autorizar sua saída do aeroporto de Santa Cruz na segunda-feira passada.

O governo boliviano encontrou indícios de irregularidades no funcionamento e operações do avião, segundo o ministro de Obras Públicas e Serviços, Milton Claros. Como primeira medida destituiu altos funcionários aeronáuticos e abriu ação contra Castedo, de momento a única processada pelo acidente.

Uma das principais hipóteses é que o avião caiu no solo porque ficou sem combustível pouco tempo depois de chegar ao aeroporto de Rionegro, que atende a Medellín.

A Lamia disse na Bolívia que a aeronave, um BA-146 modelo RJ85, deveria ter reabastecido na cidade boliviana de Cobija, no extremo norte do país, para seguir viagem para a Colômbia.

Artigos relacionados:

4 perguntas ainda sem resposta uma semana após tragédia com avião da Chapecoense [Link]

Setor de aviação "aprende muito" com acidentes, diz associação de companhias [Link]

Avião com equipe da Chapecoense sofre acidente na Colômbia [Link]

Avião da Lamia não respeitou plano de voo [Link]

Avião que sofreu acidente com Chapecoense pertencia a venezuelano e era operado por empresa boliviana [Link]