18 de Agosto, 2015 - 09:30 ( Brasília )

Aviação

FAB apoia treinamento de paraquedistas do Exército

FAB emprega quatro aeronaves na capacitação de paraquedistas. Manobra também faz parte da manutenção operacional de pilotos de transporte da Aeronáutica.

Quatro aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) participaram até a última sexta-feira (14/08), no Rio de Janeiro (RJ), do treinamento de paraquedistas do Exército Brasileiro (EB). A Quinta Força Aérea (V FAE), unidade responsável pela aviação de transporte da FAB, envolveu um C-130 Hércules, um C-105 Amazonas e dois C-95 Bandeirante na missão.

O treinamento é rotineiro e tem o objetivo de pôr em prática o que os militares do Exército aprendem na Brigada de Infantaria de Paraquedista, localizada na capital fluminense. De acordo com o adjunto de operações da V FAE, Capitão Luciano de Souza Bacellar, essa capacitação faz parte do plano de provas do paraquedista do EB. “A Brigada como um todo tem que realizar seis mil aberturas de paraquedas por trimestre. É um treinamento rotineiro”, explica o militar.

Já para a Força Aérea, o exercício auxilia na manutenção operacional dos aviadores e na formação dos pilotos recém-chegados aos esquadrões de transporte da FAB. “É uma via de mão dupla. Da mesma forma que o Exército têm que formar paraquedistas, nós temos que fazer a capacitação do nosso piloto”, explica o capitão.

Cinco unidades aéreas participam diretamente do treinamento. Uma delas é o Esquadrão Rumba (1°/5° GAV), sediado em Natal (RN). Esta é a primeira unidade do piloto de transporte da Força Aérea. Ao chegar no Esquadrão, uma das instruções que os militares recebem é sobre a forma correta de fazer o lançamento do paraquedista.

“Há uma série de procedimentos para realizar esse tipo de lançamento”, explica o capitão. Segundo ele, a preparação é importante porque em uma situação de guerra, por exemplo, está previsto fazer a infiltração com o lançamento de combatentes. “Nesses casos, nós lidamos com vidas, é preciso fazer o procedimento correto”, ressalta.

O Aspirante Marley Jorge Nascimento Fernandes está participando do treinamento pela primeira vez. Segundo ele, quatro tipos de técnicas são treinadas. A primeira é o lançamento precursor, onde um  paraquedista especializado salta primeiro e faz a verificação do terreno.

A segunda é o lançamento na luz verde, no qual o militar que saltou primeiro comanda o "já" para o piloto, que acende a luz verde liberando o salto dos próximos paraquedistas. No salto na vertical da letra código, os primeiros paraquedistas a saltar formam uma letra, combinada anteriormente, ao chegar ao solo. Essa luz será vista pelo piloto para autorizar ou não o salto dos paraquedistas restantes.

Além destes três tipos, há também o lançamento livre, mais usado para demonstrações. Nele, o paraquedista, após saltar, comanda a abertura do seu próprio paraquedas.

De acordo com o Aspirante Nascimento, trabalhar com o Exército Brasileiro é uma oportunidade. “Além de poder melhor formar os nossos pilotos da aviação de transporte, ajudamos também a formar os jovens paraquedista do Exército Brasileiro. Isto faz com que o entrosamento na missão fique cada vez mais completo”, finaliza.