16 de Março, 2015 - 12:35 ( Brasília )

Aviação

Batalhão de Infantaria Especial de Canoas realiza curso de tiro tático de precisão

Os militares irão exercer a segurança de bases aéreas e de instalações da Aeronáutica

O Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Canoas (BINFAE-CO) está realizando o 9º Curso de Tiro Tático de Precisão (CTTP). O objetivo é treinar militares para o emprego de armas em alvos estáticos ou em movimento, além de apresentar instruções sobre defesa de bases aéreas e de instalações da Aeronáutica. 

O atirador de precisão atua na segurança de autoridades e em missões de infiltração para realizar disparos precisos com auxílio de miras telescópicas.

O curso, com duração de três semanas, conta a participação de 18 alunos. São 12 militares da Força Aérea Brasileira, dois agentes da Polícia Federal (PF), dois agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e dois policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE) da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Sul.

Militares e civis concluem o Estágio de Coordenação Civil-Militar

O primeiro Estágio de Coordenação Civil-Militar (CIMIC) de 2015 foi concluído sexta-feira (13/03) no Rio de Janeiro (RJ), com a participação de 44 alunos: 2 da FAB, 7 da Marinha, 19 do Exército, 2 de nações amigas e 14 civis. Realizado pelo Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), o estágio prepara membros de missões de paz das Nações Unidas.

“O CIMIC permite o contato com diversos representantes de atores que integram uma missão de paz, como funcionários das Nações Unidas, de organizações governamentais e não governamentais. A interação ocorre entre os alunos e, também, com o corpo docente”, afirma o Tenente-Coronel Alexandre Nogueira de Souza. Ele integrará o 22° contingente brasileiro na missão de paz no Haiti, a MINUSTAH.

Os alunos receberam instruções de acordo com o Material de Treinamento Especializado da ONU. Foram abordados diversos temas: relacionamento com a mídia, funcionamento de uma organização não governamental, atividades da ONG Viva Rio no Haiti, além do desenvolvimento de um grupo de atividade CIMIC.

Uma das alunas, Vivian Finger Krause, é mestranda em Estudos Estratégicos pela Universidade Federal Fluminense. “As lições aprendidas pela experiência pessoal de militares que participaram da MINUSTAH estão intimamente ligadas com a minha dissertação de mestrado e irão contribuir muito para o meu desenvolvimento acadêmico”, diz.