04 de Julho, 2014 - 10:10 ( Brasília )

Aviação

Substituição da Bandeira Nacional homenageia Santos Dumont

O evento acontece neste domingo (06/07) em Brasília

A Força Aérea Brasileira (FAB) comanda no próximo domingo (06/07), às 10 horas, na Praça dos Três Poderes, em Brasília, a solenidade de substituição da Bandeira Nacional. O evento, coordenado pelo Sexto Comando Aéreo Regional (VI COMAR), será presidido pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, e contará com a presença de diversas autoridades civis e militares.

A solenidade será realizada em comemoração aos 141 anos de nascimento do Patrono da Aeronáutica, Alberto Santos Dumont, que nasceu no dia 20 de julho de 1873, na fazena Cabangu, em Minas Gerais. O objetivo é estimular o sentimento cívico e o culto aos símbolos nacionais na população brasileira.

Durante o hasteamento do Pavilhão Nacional, será cantado o Hino Nacional Brasileiro e, ao mesmo tempo, será dada uma salva de 21 tiros, pela bateria do Trigésimo Segundo Grupo de Artilharia de Campanha do Exército Brasileiro. Em seguida, a Bandeira Nacional substituída será arriada ao som do Hino à Bandeira. Depois a tropa composta por diversos grupamentos vai desfilar ao som da Canção do Expedicionário.

A substituição da Bandeira Nacional ocorre todo primeiro domingo de cada mês por meio do revezamento entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro, a Força Aérea Brasileira e as forças auxiliares do Distrito Federal.

Santos Dumont

Desde seus primeiros anos de vida, Alberto Santos Dumont já demonstrava habilidades manuais fora do comum. Com apenas 12 anos, já tinha permissão de seu pai para dirigir as locomotivas de transporte de café da região. Quando chegou a Paris, em 1892, ele era um rapaz provinciano, de estatura baixa e corpo franzino.

Nove anos depois, Santos Dumont transformou-se em modelo para os franceses: ganhou diversos prêmios, ultrapassou barreiras e limites impostos aos estrangeiros e construiu, na imagem popular, a imagem de um “super-homem”. Santos Dumont foi o primeiro aeronauta a alcançar, definitivamente, a dirigibilidade dos balões e o primeiro a voar num aparelho mais pesado que o ar.