21 de Abril, 2014 - 15:35 ( Brasília )

Aviação

F-35 – Novos clientes para reduzir o custo unitário


Publicado National Defense - 17 ABR 2014

Sandra I. Erwin

 
O Pentágono divulgou novas estimativas de custo para 78 grandes sistemas de armas, que apresenta  uma mistura de boas e más notícias para o Joint Strike Fighter F-35 . Enquanto os custos de longo prazo do programa reduzem  um pouco , os gastos de produção aumentaram em 7,4 Bilhões dólares em relação ao ano passado.

O relatório “Selected Acquisition Report (SAR)," solicitado pelo Congresso Americano , que o Pentágono apresentou, em  17 de abril,  mede o desempenho de sistemas de armas, em base anual , e projeta custos futuros.

O Diretor do Programa F-35, o Tenente-general (USAF) Christopher C. Bogdan, minimizou a importância do relatório como um termômetro para o programa. O custo de aquisição das aeronaves está alto, disse Bogdan, não porque as despesas do programa estão fora de controle , mas porque os orçamentos do Pentágono estão para baixo e os forças estão comprando menos aeronaves.

"É um fato da vida que quando você move aviões para a direita , eles vão custar mais", disse aos jornalistas o General Bogdan, em 17 de abril. Outro fator que contribui para o aumento dos custos são os valores das horas de trabalho mais elevadas cobrados pela fabricante dos aviões a Lockheed Martin Corp , a fabricante de turbinas Pratt & Whitney , e as parceiras BAE Systems e Northrop Grumman .

Bogdan previu que é esperada uma leva de pedidos de compradores estrangeiros, que  ajudarão a reduzir os custos de produção . Ele disse que também está colocando pressão contínua sobre as empresas para espremer os custo do programa.

O único ponto brilhante no relatório SAR é que  os custos de operações e os custos de suporte - o custo operacional previsto para toda a frota de 2.443 aviões dos EUA, incluindo os três modelos, até  2065  caiu 96,8 bilhões dólares, ou cerca  9 %, de U$ 1,1Trilhão de dólatres para US $ 1 trilhão. Mas os custos de aquisição no príodo  2012-2013 aumentou U$ 7,4 bilhões, ou cerca de 2 por cento , de U$ 391,2 milhões dólares para U$ 398,6 milões de dólares . Custos de produção da aeronave aumentaram U$ 3,1 bilhões  (1% ) de 326,9 bilhões dólares para 330 bilhõesde  dólares . Os custos da turbina do F- 35 subiram U$ 4,3 bilhões dólar (6,7%), de U$ 64,3 bilhões dólares para U$ 68,6 bilhões .

O programa F-35 inclui as seguinte versões:

- F- 35A para a Força Aérea, 1.763 aeronaves;
- F- 35Bs para o Corpo de Fuzileiros Navais, 340 aeronaves, e,
- F- 35Cs para a Marinha, 340 aeronaves.

Várias centenas estão sendo comprados por forças aliadas estrangeiros.

Bogdan afirma  que as estimativas contidas no SAR não contam a história completa de tendências de custo do caça F-35 . "Este é um programa muito complicado. É onde ele está " , disse ele. O SAR não mostra o verdadeiro preço do avião. " É uma projeção para 2065. " O custo por unidade do avião no ano passado foi U$ 112 milhões de dólares enquanto o SAR disse que era 123 milhões de dólares , disse Bogdan . Os custos de aquisição mais elevados no SAR 2013 é de apenas um pontinho , acrescentou. "Eu posso explicá-lo e compreendê-lo ", disse ele . O F-35 "não é um programa fora de controle em termos de não saber como e onde os custos estão se movendo." O que o SAR diz é que "este ano , o valor que eu tenho que pagar [ aos contratantes ] no futuro subiu. Toda vez que alguém move aviões para a direita (prazo de entrega), o preço sobe " .

O caminho certo para reduzir o custo , segundo ele, é trazer mais compradores estrangeiros para o programa. O SAR , observou ele, não inclui nas análises uma possível compra de 40 caças F-35 pela Coréia do Sul , ou antecipação de futuras aquisições por Cingapura e Israel.

" Temos certeza de que Israel não vai parar nos 19 ", disse Bogdan . Outro cliente potencial é o Japão, que tem uma frota de cerca de 200 F-15 , dos quais metade foram modernizados . "Em algum momento eles vão ter que fazer uma escolha ", disse ele . "Eu não posso influenciar essa decisão , a não ser continuar direcionando o preço do avião para baixo. Em seguida, esses clientes através do FMS [ vendas militares estrangeiras ],  vão fazer escolhas. "

Hoje, cerca de 30 por cento dos componentes do F-35 são feitos fora dos Estados Unidos , que influencia o preço das aeronaves compradas pelos EUA às flutuações nas taxas de câmbio estrangeiras.

Bogdan insistiu que o impacto dos cortes no orçamento por parte dos Estados Unidos e outras nações que compraram oF-35, nas projeções de custos das aeronave não deve ser subestimada. No ano fiscal de 2015 a proposta de orçamento do Pentágono , a Marinha adiou  a compra de 33 F-35C, e a Força Aérea adiou 4 F-35A. Turquia e Canadá adiaram as suas compras por um ano, e os Países Baixos reduziu sua compra de 80 para 37 . O efeito cumulativo dessas mudanças , disse Bogdan , é um aumento de custo de 2 a 4 por cento dob preço de cada avião. Se os orçamentos de defesa forem sofreream o “seqüestro” pelo Congresso, no período entre 2016 e 2019, 17 F-35 dos EUA não serãoproduzidos .

Segundo o relatório da SAR , o custo médio unitário de aeronaves F-35 é de US $ 131 milhões, (dolar 2012), e US $ 162 milhões em dólares quando o programa for encerrado,"  .

"Este é um negócio complicado ", disse Bogdan referindo-se às estimativas do SAR. Independentemente disso, ele disse: " Temos que obter o preço deste avião menor, temos de obter o custo de Operação e Apoio  (O&S ) mais baixo", disse Bogdan . "Se não for acessível, as pessoas não vão comprá-lo."

O programa ainda enfrenta grandes obstáculos . " Estamos apenas com 55% dos testes de voo. . Durante os próximos dois a três anos , as variantes da Força Aérea (F-35A),  e Fuzileiros Navais(F35B),  deverão estar em pleno funcionamento. O programa como um todo registrou 15.000 horas de vôo até o momento.

Produção a plena cadência está prevista para começar em 2018 , quando 154 aviões (90 para os Estados Unidos ) seriam construídos . Em 2019 , a produção subiria para 168, dos quais 96 seriam para os Estados Unidos .

Bogdan definiu uma meta de reduzir o preço por avião F-35 para entre US $ 80 a  US $ 85 milhões de  dólares em 2019. Esse preço incluiria o motor e os serviços cobrados pelos contratistas. A chave para alcançar a a meta é aumentar a produção , insistiu. " Para cada dólar que economizar no custo de produção deste avião, 80 % pode ser atribuído às economias de escala . " Os outros 20 % vem de processos de produção mais eficientes de aeronaves e turbinas. Um caso em questão é o “canopy”, que atualmente é produzido manualmente. "Isso produz sucata e retrabalho e custa mais do que se fosse a produção  automatizada ", disse Bogdan . O Departamento de Defesa e Lockheed estão financiando  conjuntamente um novo sistema para automatizar a montagem do “canopy”. "Temos muitos projetos de melhorias que estão sendo implementadas ou em vias de ser implementadas ", disse ele .

Bogdan está pedindo  para a LockheedMartin  e Pratt&Whitney  para negociarem preços mais baixos com os suas subcontratadas . Ambas as empresas no passado têm sido relutantes em comprometer-se a longo prazo  com os fornecedores , temendo que o F-35 ainda estava no chão, disse ele. Esse " risco do negócio " não está presente, disse Bogdan , e ele espera que possamos  ir para à  base de fornecedores e fazer encomendas para vários anos . " O Departamento de Defesa não pode por lei assinar um contrato de vários anos com a Lockheed ou Pratt, " mas não há nada que impeça a os contratistas principais de o fazerem com sua cadeia de fornecimento . "

O Pentágono provou que está comprometido com o programa , disse ele. " Nós passamos por dois anos de “seqüestro” e este programa , basicamente, saiu ileso. "

Bogdan teve palavras duras para Pratt & Whitney e culpou a empresa pelo aumento dos preços da turbina. O escritório do programa F-35 e o fabricante de turbinas ainda estão em negociações para o próximo  lote d eprodução “Low rate” . De acordo com Bodgan , a empresa não cumpriu metas de custo que  havia prometido. "O que me disseram é:" quando você compra mais motores , o preço vem para baixo. " " Isso pode ser verdade em parte , disse Bogdan , embora ele suspeita que a razão pela qual os preços estão acima  é que a Pratt reduziu a produção de motores , mas não despesas gerais . "Eu não gosto disso ", disse ele . " Vamos trabalhar com a Pratt & Whitney  para continuar a guerra nos custos . "

Bogdan disse que está frustrado por não ter poder suficiente com a Pratt & Whitney porque a empresa é a única fabricante do motor do caça F-35 . Um segundo fabricante do motor , General&Electric, foi eliminada do programa, há três anos,  para cortar custos. " Há apenas um motor, o F -135 ", disse Bodgan.
 
 "Qualquer que seja a aquisição do programa, quando você está em um ambiente de fornecedor  único , é difícil encontrar a motivação para reduzir os custos de um programa. Uma das maneiras mais eficazes de fazer isso é através da competição ", disse ele.


 

Matérias recomendadas

Ensaio sobre a eficácia de Programas F-X para Forças Aéreas de Países Emergentes Link

Fighters: The Heart of the Matter… or, of the Generation Link

Caças: O “X” da Quest..., digo, da Geração Link

O editor