02 de Abril, 2014 - 11:10 ( Brasília )

Aviação

FAB avalia protótipo da Novaer para treinar cadetes


A Força Aérea Brasileira (FAB) começou a avaliar a possível substituição das aeronaves T-25 Universal e considera o treinador T-Xc, desenvolvido pela Novaer Craft, como uma opção potencial, já que se trata de um avião 100% nacional. O T-25 é usado há mais de 40 anos no treinamento primário de cadetes da Academia da FAB.
 
"Chegou o momento de pensarmos na substituição do T-25 por uma aeronave mais moderna e adaptada às novas tecnologias. Conforme o estabelecido na Estratégia Nacional de Defesa, daremos prioridade à empresa nacional", afirmou o comandante da Academia da FAB, em Pirassununga, brigadeiro Carlos Eduardo da Costa Almeida.
 
De acordo com o brigadeiro, pelas novas diretrizes do governo, as forças armadas só compram de fora o que não tem competência para ser produzido no país. O Brasil fabricava aviões da categoria do T-25 até 1989. Desde então o mercado nacional está sendo servido por aviões importados.
 
A Novaer Craft desenvolveu o protótipo do T-Xc, o primeiro avião do mundo em sua categoria construído 100% em fibra de carbono. Além da versão treinador, o T-Xc possui a versão utilitária, para quatro passageiros. "O T-Xc vai relançar a indústria de aviação geral no Brasil", ressaltou o presidente da empresa, Graciliano Campos.
 
A meta da empresa, segundo ele, é que a configuração civil alcance 5% de participação no mercado de monomotores de quatro lugares. Um dos principais diferenciais do modelo, explica, é o fato de ter 20% menos peso em relação aos concorrentes construídos com estruturas metálicas ou em fibra de vidro, permitindo maior capacidade de carga e velocidade.
 
O projeto T-Xc foi desenvolvido com o apoio do programa de subvenção da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos). O investimento total envolvendo projeto, engenharia, protótipos de certificação e industrialização da aeronave será da ordem de R$ 120 milhões.
 
A unidade fabril da Novaer ficará localizada em Lajes, Santa Catarina. Os custos de construção da fábrica serão financiados também pela Finep, no âmbito do certame Inova Aerodefesa, para o qual foi qualificada e aprovada.
 
A SCPar, empresa do Estado de Santa Catarina, se tornou sócia da Novaer após investimento de R$ 15 milhões, realizado em 2012. A SCPar, segundo seu presidente, Paulo Cesar da Costa, tem participação de 22% na Novaer, mas esse percentual deve chegar a 26%.

Leia também:
NOVAER  - São José perde fábrica de avião para Santa Catarina