11 de Março, 2014 - 10:27 ( Brasília )

Aviação

CENIPA lança aplicativo e amplia comunicação com o usuário


O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) acaba de lançar seu aplicativo (App) móvel. O serviço é gratuito e permite acessar informações relacionadas à prevenção e investigação de acidentes aeronáuticos em tempo real. Pilotos civis e militares, operadores, administradores aeroportuários, mecânicos, agentes de segurança de voo são os destinatários desse aplicativo para atualizações em segurança de voo.
 
Além de acompanhar as notícias do CENIPA, da Força Aérea Brasileira e da aviação geral, o aplicativo acessa os cursos de prevenção de acidentes aeronáuticos oferecidos anualmente e suas datas de inscrição. O usuário ainda pode comunicar formalmente ao CENIPA toda e qualquer situação de perigo envolvendo raio laser, balão de ar quente não tripulado, fauna, pipas e outros casos, preenchendo as fichas online. Em caso de acidente aeronáutico, terá o contato direto com os investigadores dos Serviços Regionais de Investigação.
 
Disponível na plataforma iOS da Apple, o aplicativo é localizado pela palavra cenipa em todas as versões do iPhone, ipad e Ipod touch na loja Apple Store. De qualquer lugar e a qualquer hora, sem a necessidade de estar à frente de um computador ou notebook, basta acessar o telefone celular ou tablet. Na opinião do vice-chefe do CENIPA, Coronel Aviador Marcelo Marques de Azevedo, o objetivo é ampliar o acesso à informação e facilitar a vida do usuário. “Queremos atender a população que se mantém conectada à internet através de seus mobiles,” afirmou.
 
A pesquisa realizada pelo órgão investigador identificou cerca de 70% dos usuários que acessam as informações de segurança de voo o fazem por meio de dispositivos móveis. A partir daí, foi elaborado o projeto de inserção do aplicativo que já se constitui um sucesso pelo poder de comunicação que oferece. O monitoramento de acesso ao usuário, em apenas três dias, registrou mais de 200 downloads, incluindo usuários dos Estados Unidos, Rússia, China e Moçambique.
 
Facilidade e rapidez
 
O aplicativo virou mania. Cresce o número de pessoas de todas as idades que acessam a internet no seu cotidiano, por meio de seus telefones celulares em busca de informações, serviços, comunicação e entretenimento. Na comparação com outras ferramentas da internet, o momento é do aplicativo. O executivo Walter Longo costuma dizer: “Você conhece uma pessoa pelos Apps que ela possui.”
 
O aplicativo apresenta vantagens irrecusáveis e torna-se cada vez mais popular, devido às facilidades de uso e rapidez das ações; tem o menor custo de acesso, já que o tráfego de dados necessários para a navegação é muito menor se comparado aos navegadores convencionais, além do melhor uso dos recursos disponíveis que o aparelho possui, tais como GPS, câmera fotográfica, Bluetooth e outros.
 
De acordo com a reportagem da revista Época Negócios, nos Estados Unidos, 42 % dos usuários de telefone móvel já baixaram aplicativos e 25% utilizam diariamente. O Brasil, segundo ranking da Flurry, ocupa a 10ª colocação entre os países que mais utilizam sistemas operacionais como o iOS e Android. Isto significa milhões de telefones móveis espalhados pelo país e consequentemente milhares de aplicativos em uso.
 
O chefe da área de TI do CENIPA, Tenente Analista de Sistemas Danilo de Sousa, afirma que é importante obter o retorno do usuário para aperfeiçoar as funcionalidades do sistema e e adequá-las às necessidades do usuário. Ele sugere que os interessados em colaborar enviem seus emails pelo próprio aplicativo com críticas e sugestões. A avaliação do aplicativo também pode ser feita na Apple Store.
 
A criação do projeto e o desenvolvimento do aplicativo levaram quatro meses e chegou a exigir 16 horas de trabalho diário, explica o Tenente Danilo. O desafio de criar uma ferramenta inovadora foi o maior incentivo para uma carga de trabalho tão alta. O próximo passo será a inclusão das versões no sistema operacional android. “Por ser uma plataforma desconhecida para mim, foi necessário buscar o conhecimento para desenvolver o software e inserir o CENIPA no contexto da era digital”, comentou.