07 de Outubro, 2013 - 16:39 ( Brasília )

Aviação

DEFESA – Celso Amorim defende a indústria de defesa nacional em evento sobre o setor


A  Mostra BID Brasil, feira que reuniu cerca de 70 empresas da indústria de defesa nacional na Base Aérea de Brasília (BABR), a palavra de ordem foi valorização. Segundo o Ministro da Defesa, Celso Amorim, para manter a soberania nacional é de extrema importância fortalecer e incentivar o crescimento do setor no país. 
 
“O avanço da indústria de defesa brasileira é básico para assegurar uma autonomia mínima de uma área vital para que a sociedade possa viver tranqüila. Tanto na segurança pública em grandes eventos, como para nos proteger em possíveis conflitos ou até mesmo nas missões de paz nas quais o Brasil participa”, explicou o Ministro durante o evento.
 
Segundo o Brigadeiro Todesco, Chefe da Segunda Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), a Força Aérea Brasileira (FAB) está ciente da importância do avanço tecnológico para a defesa nacional, por isso, investe hoje em conhecimento e mantém um planejamento militar voltado para os benefícios que as empresas podem trazer para a defesa do Brasil e para o dia-a-dia dos brasileiros. 
 
“A FAB está investindo bastante no aumento do conhecimento. A nossa visão de futuro está em conseguir que o empresariado entenda nossa necessidade e aplique esse conhecimento também para o meio civil. Queremos oferecer benefícios não só para as Forças Armadas ou para a FAB, mas para a população em geral”, defendeu.
 
Em meio aos anúncios de mudanças nas empresas e novidades tecnológicas, a ex-OrbiSat, agora BRADAR, apresentou os novos radares recentemente adquiridos pela Forca Aérea Brasileira (FAB) que farão parte dos Grupos de Artilharia Antiaérea de Autodefesa de Manaus (AM) e Canoas (RS) até o início de 2014, sendo que um deles já foi entregue em agosto desse ano.
 
Conhecidos como SABER M-60, os radares foram criados com tecnologia exclusivamente nacional pelo Centro Tecnológico do Exército Brasileiro (CTEx) em parceria com a BRADAR, e atua na vigilância a baixa altura, permitindo o rastreamento de alvos em um raio de 60 quilômetros, transmitindo informações em tempo real para um Centro deA feira estará aberta ao público geral no sábado, 05, durante o Portões Abertos  Sargento V. Santos/Agência Força Aérea Operações. Apenas cinco países no mundo dominam este tipo de tecnologia. 
 
Dentro da programação, os visitantes adidos estrangeiros também tiveram a oportunidade de participar de workshops sobre soluções de defesa e segurança, além de palestras ministradas por representantes dos Ministérios da Defesa e de Relações Exteriores, da Apex-Brasil e da ABIMDE. 
 
“Iniciativas como a BID são muito importantes porque dessa maneira o mercado brasileiro se abre para os outros países permitindo que conheçamos as possibilidades oferecidas pela indústria. Isso é muito significativo, principalmente para meu país, onde não temos uma base industrial de defesa”, declarou o Coronel Joser Balbuena, do Ministério de Defesa do Paraguai.