13 de Setembro, 2013 - 13:25 ( Brasília )

Aviação

C- 17 - Boeing entrega o último para a USAF

A Boeing e os funcionários continuarão a construir o Air Force C-17 Globemaster III para clientes globais


LONG BEACH , Califórnia, 12 Setembro de 2013 - A Boeing entregou a aeronave de número  223, o último C- 17 Globemaster III, para a USAF, na quinta-feira (12 Setembro 2013), cumprindo o contrato de produção de mais de 20 anos desde a primeira entrega.

A aeronave deixou as instalações de Boeing, em Long Beach, para voar até a sua Base de operações Joint Base Charleston, Carolina do Sul, onde uma cerimônia vai marcar a sua chegada

A USAF foi o cliente de lançamento do C-17 . Desde o primeiro vôo do avião, em 15 de setembro de 1991, obteve a marca de ser a única aeronave de transporte estratégico e com capacidade tática, as quais lhe permitem voar entre continentes , pousar em pistas curtas, sem preparação e lançar suprimentos de forma precisa onde eles são necessários.

Nas palavras do o general da USAF Paul Selva, comandante do Air Mobility Command:  "Obrigado por entregar ao nosso combatente uma aeronave de  transporte aéreo nacional - que é a definição do C -17 - o mais versátil , mais capaz , mais preparada aeronave de carga já construída ".

A Boeing continuará a produzir o  C-17 para outros clientes ao redor do mundo, e manter e apoio logístico à aeronave através do C-17 Globemaster Programa de Sustentação Integrada (C-17 Globemaster Integrated Sustainment Program.).

Os C-17 participaram  em operações de contingência de todos os tipos , incluindo transporte de tropas e equipamentos para a Operação Liberdade Duradoura, no Afeganistão, e Operation Iraqi Freedom. A aeronave de transporte também tem sido usada em missões humanitárias ao redor do mundo , incluindo os tsunamis, no Japão e Oceano Índico de 2011 e 2004, respectivamente , o furacão Katrina, em 2005, e o terremoto do Haiti de 2010.

O C-17 detém 33 recordes mundiais - mais do que qualquer outra aeronave de transporte da história - incluindo de capacidade de carga em altitude, tempo de subida e marcas de decolagem e aterrissagem em pistas curtas . Ele ultrapassou 2,6 milhões horas de vôo, desempenhando um papel fundamental no transporte aéreo estratégico global.

A Associação Nacional de Aeronáutica , em 1994, premiou o C-17 com Collier Trophy , reconhecendo a aeronave como o topo realização aeronáutica daquele ano .

Além de 223 C-17 entregues à USAF, 34 outros são operados pela Austrália , Canadá, Índia , Qatar, Emirados Árabes Unidos , do Reino Unido e da iniciativa Strategic Airlift Capability, de 12 membros da OTAN e das Nações Parcerias para a Paz.


 
 
História

Nos anos 80 a USAF necessitava substituir a frota de C141 Starlifter. Duas empresas participaram: a McDonnell Douglas, com um projeto baseado em um desenho anterior o YC-15 e Lockheed com dois projetos um C-5 modificado e uma versão alargada do C-141.

O projeto escolhido foi o da McDonnell Douglas, que posteriormente foi adquirida pela Boeing. O objetivo do novo avião era de efetuar o trabalho do C-141 e alguns do C-5 Galaxy, liberando esta aeronave para carga de grande porte.

O requisito inicial era para 210 aeronaves.

O agressivo ciclo de teste da USAF obrigou ao reprojeto  das asas  do C-17 e outras partes da aeronave. Um acerto com o USAF e o atraso de dois anos no projeto levou a McDonnell Douglas a aceitar um contrato em 1993, com pedas de U$ 1,5 Bilhão de dólares. O que muito facilitou a aquisição da McDonnell Douglas pela Boeing.

Dados
Dimensões


Comprimento    53 m
Envergadura 52 m.
Turbinas                 4 Pratt & Whitney F117-PW-100 turbofan
Potência              40.400 lb de empuxo - O reverso das turbinas joga o ar para a cima para impedir que a turbina seja atingida por foreign object damage
Tripulação  3 Piloto e co-piloto e Loadmaster
Capacidade de carga 77,500 kg  - Pode levar um Carro de Combate M1 Abrams (63t)
Peso Máximo  take-off  265.350 kg


Autonomia  2,800 Milhas - 5,200 km
Velocidade  833 km/h (Mach 0.74)


O C-1 7foi projetado para operar em pistas curtas, como 1,064 m, e estreitas, 27 m.
 
Uma  característica interessante do C-17 é a sua capacidade de abrir a porta do compartimento de carga, em pleno voo, mesmo sem a adição de uma segunda fuselagem. Alguns aviões que possuem essa capacidade, como o C-5 Galaxy ou Antonov An-124 precisam de uma segunda fuselagem para dar a resistência estrutural que a aeronave precisa para abrir a porta traseira do compartimento de carga em pleno vooAlém disso, os aviões supracitados possuem duas portas que dão acesso ao compartimento de carga, uma de proa (frontal) e outra de ré .

O Globemaster III, por sua vez, possui apenas a porta de popa. Entretanto, essas portas que mencionamos são acessos para carga. Existem várias outras destinadas a permitir que humanos entrem e saim do Globemaster. Aliás, o Globemaster tem duas portas de popa, uma de cada lado, que podem ser abertas em pleno voo, para a liberação de soldados paraquedistas.

O sistema eletrônico do Boeing C-17 Globemaster III trabalha com quádrupla redundância. Isso significa que, se um dos sistemas falhar, há outros três trabalhando. O sistema de navegação é digital, assim como muito outros componentes da aeronave.