19 de Agosto, 2013 - 21:44 ( Brasília )

Aviação

Bombardeiro B-1B cai em Montana sem deixar vítimas


Um bombardeiro estratégico B-1B americano caiu nesta segunda-feira em Broadus, Montana, durante um voo de treinamento, mas seus quatro tripulantes conseguiram se ejetar, anunciou a Força Aérea.

O avião decolou da base de Ellsworth, em Dakota do Sul, onde estão 28 bombardeiros deste tipo.

A Força Aérea iniciou uma investigação para determinar as causas do acidente.

O Rockwell B-1 Lancer é um bombardeiro estratégico norte-americano quadrimotor de geometria variável. Concebido na década de 1960 como um bombardeiro supersônico com carga e alcance suficientes para substituir o Boeing B-52 Stratofortress, evoluiu como um penetrador de baixa altitude e longo alcance, com capacidade de velocidade supersônica a grande altitudes.

O desenvolvimento do B-1 foi longo, dificultado pelas mudanças nas doutrinas de balanço estratégico entre as superpotências, variando entre respostas flexíveis e destruição mútua assegurada. A versão inicial B-1A foi desenvolvida no início da década de 1970, mas foi cancelada após a construção de apenas quatro protótipos.

Com o surgimento da demanda por uma nova plataforma no início da década de 1980, a aeronave ressurgiu como versão B-1B, priorizando a missão de bombardeio por penetração a baixa altitude. O B-1B entrou em serviço em 1986 com o Comando Aéreo Estratégico da USAF, com a função de bombardeiro nuclear.

Na década de 1990 o B-1B foi convertido para bombardeiro com munição convencional, tendo seu primeiro uso em combate na Operação Desert Fox em 1998 e novamente durante a operação da OTAN no Kosovo, no seguinte. O B-1B tem participado em missões de combate em apoio às forças dos EUA e da OTAN no Afeganistão e Iraque.

O Lancer é o componente supersônico da força de bombardeiros de longo alcance da USAF, ao lado dos subsônicos B-52 and Northrop Grumman B-2 Spirit. Com a retirada de serviço do General Dynamics/Grumman EF-111A Raven em 1998 do Grumman F-14 Tomcat em 2006, o B-1B é a única aeronave militar norte-americana de geometria variável que se encontra em serviço ativo. Há planos do B-1B permanecer em atividade até a década de 2020, quando será suplementado pelo projeto Next Generation Bomber.