27 de Maio, 2011 - 11:21 ( Brasília )

Aviação

Passaredo põe piloto no lugar do mecânico

Demissão de mecânicos em três bases em março obrigou pilotos a acompanhar abastecimento de aeronaves Sindicato vê risco à segurança de voo; empresa diz que treinou tripulação e que decisão se deve à "otimização"

RICARDO GALLO

Por economia, a Passaredo Linhas Aéreas dispensou mecânicos e pôs os pilotos para supervisionar e acompanhar o abastecimento das aeronaves. A mudança foi implantada em março em três dos aeroportos onde a empresa opera -Vitória da Conquista e Barreiras, ambas na Bahia, e Araguaína, em Tocantins.

Sétima em participação no mercado, a Passaredo opera nessas rotas com aeronaves Embraer ERJ-145, jatos para cerca de 50 passageiros. Normalmente, o abastecimento é feito por um funcionário terceirizado e acompanhado pelo mecânico. Aos pilotos cabe verificar os equipamentos de cabine e fazer uma ronda externa no avião antes do voo.

Agora, um deles fica na cabine enquanto o outro abre e fecha o bocal de combustível e acompanha o processo. A decisão, afirma a empresa, deve-se à necessidade de "otimização operacional". Um dos pilotos da Passaredo denunciou o caso ao Sindicato Nacional dos Aeronautas e à ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil).

Na denúncia, ele disse temer a medida, pois não teve treinamento adequado. Segundo o autor, sair para inspecionar o abastecimento prejudica a checagem pré-voo e, consequentemente, põe em risco a segurança.

"RISCO"

Um bocal mal fechado, por exemplo, pode resultar em acidente durante o voo, diz o comandante Carlos Camacho, diretor de segurança do sindicato. Do mesmo modo, um piloto desacostumado a fazer esse tipo de serviço pode comprometer a operação.

O abastecimento por um piloto inexperiente causou a queda de um Learjet-35 no entorno do Campo de Marte, em São Paulo, em 2007. Com mais querosene em uma das asas, o avião ficou desbalanceado e caiu logo após decolar. Oito pessoas morreram.

Segundo a ANAC, o procedimento da Passaredo é inusual, mas permitido mediante treinamento. A agência inspecionou a empresa; por volta das 19h30 de ontem, informou não ter constatado irregularidades.

A Passaredo diz ter treinado a equipe. Quem não apresentou "competência" foi "desligado". A segurança, sustenta a empresa, não foi afetada. O avião usado, acrescentou em nota, não exige presença de mecânico para despacho de voo.