25 de Abril, 2013 - 10:22 ( Brasília )

Aviação

Rússia consolida posições no mercado mundial de armamentos

Demanda por aviões de combate russos cresce especialmente na Ásia

As posições da Rússia no mercado mundial de armamentos são particularmente fortes no segmento de aviação militar. Aeronaves como o Su-30 e o MiG-29 são bem conhecidos em muitas regiões do mundo, especialmente no Sudeste Asiático. A demanda por aviões militares de produção russa mantém-se pelo surgimento de clientes como Argélia, Venezuela, Malásia, Vietnã, Uganda, Indonésia. Esta lista irá, provavelmente, incluir dentro em breve também Bangladesh. Fornecimentos do modelo Yak-130 para este país podem começar em 2015.

Para as empresas do complexo militar-industrial da Rússia,  a cooperação técnico-militar com países da Ásia é uma prioridade. Segundo o diretor do Centro de Conjuntura Estratégica, Ivan Konovalov, estados do Sul e Sudeste Asiático estão se desenvolvendo ativamente e alocam fundos significativos para equipar suas forças armadas. “Os países mencionados têm clara necessidade possuir tais aviões.

Os governos sabem que os aviões russos de combate são os melhores em termos de preço e qualidade. Os aviões da Rússia são caros, mas, em comparação com os aviões dos Estados Unidos, são mais baratos e a sua qualidade é muito boa. É por isso que os países do Sudeste Asiático prestam tanta atenção à aviação russa.”

O mais recente avião russo de treinamento e combate Yak-130 ainda não é tão conhecido no mundo como o Su-30 ou o MiG-29. Mas o aparelho tem boas perspectivas de exportação por possuir  características excelentes, na opinião de especialistas em armamentos, como o Presidente da Comissão Militar-Industrial do Governo da Federação Russa, Viktor Murakhovsky. “O avião Yak-130 é único em seu gênero por combinar duas funções. Ele pode ser usado como avião de treinamento para a preparação de pilotos e desempenha o papel de avião de ataque.

Graças aos equipamentos eletrônicos de bordo, o Yak-130 permite simular uma ampla gama de diferentes modelos de aviões de combate, tanto em aerodinâmica como em métodos de uso de armamentos. Como avião de ataque leve, ele pode operar em condições climáticas adversa e usar diferentes tipos de armas. O Yak-130 custa cerca de duas vezes menos do que caças modernos. O contrato da Rússia com Bangladesh é apenas o primeiro passo para a entrada doYak-130 no mercado externo.”

Fontes da corporação Irkut, fabricante do avião, e da agência federal de exportação de armamentos (Rosoboronexport), dão conta de que a empresa também pretende promover o Yak-130 e que o primeiro país a receber estes aviões poderá ser o Brasil que, inclusive, disporá de uma unidade montadora deste avião. A Rosoboronexport informou ainda que, nos últimos sete anos, forneceu ao mercado externo 290 aviões militares russos, o que representa valores superiores a US$ 20 bilhões. A maioria das exportações foi dos aviões Su e MiG.