20 de Abril, 2013 - 00:20 ( Brasília )

Aviação

B787 - Boeing começará a modificar os Dreamliners

Boeing começará a modificar 787s após aprovação das melhorias no sistema de baterias pela FAA

- Modificações nas frotas existentes serão iniciadas; entregas serão retomadas em breve
Boeing oferece suporte aos clientes na volta ao serviço

 
EVERETT, Washington,  19 de abril de 2013, - A aprovação das melhorias feitas no sistema de baterias do 787 Dreamliner concedida hoje pela Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês),autoriza a Boeing e seus clientes a instalarem as modificações aprovadas e resultará na volta ao serviço de transporte de passageiros e à entrega de encomendas ao mercado.

"Com aprovação da FAA, nós e as companhias aéreas poderemos iniciar o processo de retorno do 787 com confiança contínua na segurança e confiabilidade dessa nova e revolucionária aeronave”, declarou o presidente do Conselho, presidente executivo e CEO da Boeing, Jim McNerney. "A promessa do 787 e os benefícios que ele oferece às companhias aéreas e a seus passageiros permanecem intactos ao tomarmos esse passo importante com nossos clientes e parceiros do programa."

A ação da FAA autorizará o retorno dos 787s nos Estados Unidos, após a instalação das melhorias.  Para os 787s baseados e modificados fora dos Estados Unidos, as autoridades reguladoras locais são responsáveis por emitir a autorização final para o retorno ao serviço de transporte de passageiros.

A aprovação do sistema de bateria aprimorado do 787 foi concedida pela FAA depois que a agência realizou uma análise detalhada dos testes de certificação.  Os testes foram desenvolvidos para confirmar que os componentes individuais da bateria e sua integração com o sistema de recarga e o novo invólucro tiveram o desempenho esperado em operação normal e em condições adversas. Os testes foram realizados sob a supervisão da FAA durante o período de um mês, com início em março.

"A FAA estabeleceu um patamar elevado para a nossa equipe e a nossa solução", disse McNerney.  "Agradecemos a diligência, conhecimento e profissionalismo da equipe técnica da FAA e a liderança do administrador da agência, Michael Huerta, e do secretário de transportes, Ray LaHood, durante esse processo.   Nosso compromisso, em conjunto com os órgãos reguladores e nossos clientes, com a produção de aeronaves seguras, eficientes e confiáveis ajudou a tornar as viagens aéreas a forma de transporte atualmente mais segura do mundo."

A Boeing, em parceria com seus fornecedores e apoiando as investigações da Agência Nacional de Segurança nos Transportes (NTSB, na sigla em inglês) e a Agência Japonesa de Segurança nos Transportes (JTSB na sigla em inglês), realizou testes e análises de engenharia detalhados para entender inteiramente os fatores que poderiam ter causado a falha e o superaquecimento das baterias do 787 em dois incidentes ocorridos em janeiro último.  A equipe passou cerca de 100 mil horas desenvolvendo planos e estruturas para os testes, conduzindo testes e analisando os resultados, a fim de garantir que as soluções propostas atendessem a todas as exigências.

  "Nossa equipe trabalhou incansavelmente para desenvolver uma solução abrangente que satisfizesse a FAA e outras agências globais, nossos clientes e nossos próprios altos padrões de segurança e confiabilidade", disse o CEO e presidente da Boeing Aviação Comercial, Ray Conner. "Com a competência e a dedicação da equipe da Boeing e de nossos parceiros, atingimos nosso objetivo e fizemos uma ótima aeronave ficar ainda melhor."

A Boeing também reuniu uma equipe de mais de uma dúzia de especialistas em baterias de vários segmentos, governo, meio acadêmico e segurança do consumidor, para analisar e validar as premissas, resultados, soluções propostas e plano de testes da empresa.

O sistema de baterias aprimorado inclui mudanças de design, tanto para evitar falhas quanto para isolar uma falha, caso ocorra. Além disso, foram implantados melhores processos operacionais, de produção e teste.  O novo invólucro de aço evita que qualquer nível de aquecimento da bateria afete a aeronave e seja percebido pelos passageiros.

“Essa é uma solução abrangente e permanente, com diversas camadas de proteção," disse Conner.    "A camada de proteção definitiva é o novo invólucro, criado para garantir que, mesmo que a bateria falhe, isso não afetará a aeronave e não haverá possibilidade de incêndio.  Temos a solução certa nas mãos, e estamos prontos para implementá-la.  Agradecemos aos nossos clientes pela sua paciência durante os últimos meses", acrescentou Conner. "Sabemos que não foi fácil lidar com o fato de os seus 787 estarem fora de operação e com o atraso nas entregas.  Estamos ansiosos para ajudá-los a voltar a colocar suas aeronaves em serviço o mais rápido possível."

A Boeing enviou equipes a várias partes do mundo para começar a instalar os sistemas de bateria modificados em todos os 787s. Os conjuntos de peças necessárias para todos os novos sistemas de bateria e as novas baterias estão prontos para ser enviados e começarão a ser entregues imediatamente.  Equipes foram designadas para trabalhar com clientes localmente e instalar os novos sistemas.  As aeronaves serão modificadas aproximadamente na ordem em que foram entregues.

"A equipe da Boeing está pronta para ajudar os 787s de nossos clientes a voltarem ao ar, o lugar ao qual pertencem", finalizou Conner.

A Boeing também iniciará a instalação das mudanças nas novas aeronaves nas suas duas fábricas de 787, e as entregas devem ser retomadas nas semanas seguintes.

Apesar da interrupção das entregas em janeiro, a Boeing espera realizar todas as entregas planejadas para 2013 até o final do ano. A Boeing também espera que a questão da com a bateria do 787 não gere nenhum impacto significativo sobre o seu planejamento financeiro para 2013.