COBERTURA ESPECIAL - Argentina - Geopolítica

01 de Março, 2020 - 16:14 ( Brasília )

“Somos el Ejército Argentino: Discurso Posse Comandante Gen Bda Agustín Humberto Cejas

“Somos el Ejército Argentino": transcrição da mensagem de assunção do novo Chefe do Estado-Maior (Comandante) do Exército Argentino, Gen Bda Agustín Humberto Cejas

Somos el Ejército Argentino"
Transcrição da mensagem de assunção do novo Chefe do Estado-Maior (Comandante) do Exército Argentino,
General-de-Brigada Agustín Humberto Cejas
Buenos Aires, 28 Fevereiro 2020

 

 

Me apresento para servir como chefe do Exército, faço-o com humildade diante da enorme responsabilidade que assumo, mas com a decisão e a segurança que me proporcionam uma vida dedicada às milícias. Agradeço ao Presidente da Nação e ao Ministro da Defesa por confiarem em mim.

Somos el Ejército foi a frase que publiquei quinta-feira passada nas minhas redes sociais, acompanhando essas três palavras simples com alguns agradecimentos e uma foto do cadete Agustín Cejas.
 

Isso busca simbolizar que esse general que agora assume a liderança do Exército argentino é o mesmo que se formou junto com 247 outros membros da 115ª promoção do Colégio Militar Nacional em 1984, sem saber muito bem o que o destino o traria, mas com valores e com uma chama de vocação militar que nunca se apagou ou enfraqueceu em mais de 35 anos como oficial.

Quando expresso que "Somos el Ejército", tento definir que a Força tem uma identidade, uma história e um compromisso.

As identidades se caracterizam, a história é um guia de orientação para o futuro e os compromissos são cumpridos. Mas o que une essas três características é que elas devem ser geradoras de respeito e apreço por aqueles que nos observam e nos julgam de fora da organização.

Somos el Ejército implica que somos os soldados da Pátria, e a Pátria são 45 milhões de argentinos, a Pátria é o povo que acompanhamos como a primeira resposta do Estado a uma emergência, a Pátria é o território do oitavo país em extensão do mundo, que protegemos com a nossa ampla distribuição territorial, como uma grande força da organização, que vai de La Quiaca à Antártica, a Pátria é a riqueza do solo e os interesses vitais a serem protegidos, porque esse é o mandato do Lei de Defesa Nacional, a Pátria é o respeito ao sistema legal que define nossa missão e orienta nossas atividades, é o respeito irrestrito à ordem constitucional e às três Potências do Estado.

Estou convencido de que nossa profissão deve ser vocacional e não meramente ocupacional.

Somos el Ejército procura explicar que aqueles que fazem parte da Força consideram a remuneração salarial como resultado do respeito e apreço que o Estado tem pela profissão militar e pelo compromisso, entrega absoluta e ação diária silenciosa e não como um pagamento simples pelo trabalho.

Somos el Ejército expressa que gostamos e nos orgulhamos de ser membros de uma organização única, na qual nossos jovens são treinados e aperfeiçoados na ação, desenvolvendo várias atividades que carregam um risco inerente, maior que o de qualquer outra profissão.

Para mitigar esse risco, não basta adotar as rigorosas medidas de segurança que aplicamos, mas requer um treinamento permanente que busca manter a cadeia de conhecimento e que o pessoal possa resolver com êxito na emergência, como resultado da repetição que exige munição de todos os compassos de calibre para treinamento, pois você também precisa de uniformes para fortalecer a autoestima profissional e a imagem projetada do soldado.

Também requer a renovação progressiva dos veículos, a modernização de materiais obsoletos e o trabalho com a motivação dos mais jovens, com equipamentos modernos que possibilitam colmatar a lacuna tecnológica que cresce a cada ano. Equipes que também apresentam uma antecipação do futuro para as novas gerações, sempre dentro da estrutura da realidade do país.

Somos el Ejército também significa estar à disposição de outros exércitos da região para interoperar juntos, sempre com o objetivo de gerar, em combinação com nossos vizinhos, o efeito dissuasor que nada mais é do que proteger o nosso, com a mesma lógica defensiva e preventivo com o qual cada um cuida de sua casa com uma fechadura, uma cerca, um alarme ou um cão de guarda e não sob o conceito reativo que considera as Forças Armadas como uma apólice de seguro, porque sempre tendemos a pagar o pensamento de seguro mais barato que nunca precisaremos.

Não nos preparamos para reagir, nos preparamos para que cada argentino caminhe com calma, sabendo que o sistema de Defesa Nacional é respeitável e respeitado.

Nesse sentido, ouvimos repetidamente o ministro dizer que, com o Fundo de Defesa (FonDef) e como um de seus eixos de gestão, ele trabalhará para o futuro de nossos jovens sub-tenentes e fins, e não para os generais ou oficiais não comissionados.
 

Esses conceitos nos comprometem a redobrar nossos esforços e, simultaneamente, indicam que estamos na mesma direção.

Somos el Ejército,  expressa que mantemos a mística daqueles que enriqueceram o país, exaltando seus valores, seu heroísmo, sua visão e seu legado, mas simultaneamente aprofundamos as mudanças na formação integral de cadetes, aspirantes e estagiários, atualizando os planos O estudo de carreiras de graduação, pós-graduação e pós-graduação com conceitos modernos, onde, além de perfis de proficiência e prática profissional, busca consolidar o respeito em sua integralidade conceitual e visando não apenas a internalização do respeito e a plena integração de a mulher em todas as funções de combate, bem como o respeito por todas as diversidades que hoje fazem parte da realidade do mundo e da nossa sociedade.

Somos el Ejército implica que em nossa organização existem exemplos de coragem e coragem como o soldado Hermindo Luna, que não desistiu de seu posto de guarda, ou o sargento Fabian Gonzalez, que pulou na correnteza de um rio para resgatar um cidadão que foi arrastado pela corrente, independentemente do risco que correria, bem como o exemplo do patriotismo do tenente Roberto Estévez, que ofereceu sua vida lutando à frente de seus homens. Há também aqueles que estão representando a Argentina em uma missão de paz a 14.000 km de distância de suas famílias e aqueles que agora estão perfurando poços de água e água potável para que a água alcance muitas crianças e famílias no norte do país.

Somos el Ejército implica que o treinamento e o apereiçoamento dos valores que são as bases sobre as quais construímos o dia-a-dia de uma organização de mais de 60.000 pessoas que se caracteriza por ser uma das mais federais do estado nacional, em virtude da representação de cada província e cada cidade.

Somos el Ejército se traduz na atitude com a qual modelamos nossos oficiais, oficiais e soldados não-comissionados, com o objetivo de responder ao estereótipo e à ideia que a sociedade tem de um soldado, na esperança de que sejam pessoas de honra, coragem e lealdade.

Somos el Ejército resume que, apesar da identidade e necessidades das várias armas, especialidades e serviços, acima de tudo o sistema do Exército deve estar, onde todos são componentes que devem ser equilibrados em equipamentos e também em expectativas profissionais que garantam uma equilíbrio na qualidade e quantidade de recursos humanos, materiais e financeiros.

Somos el Ejército, incluindo os da reserva, que continuam a ter status militar, continuam a fazer suas contribuições e continuam a fazer parte da organização, prontos para serem convocados se o país exigir.

O que eles percebem como seu sustento depois de anos de serviço não é um privilégio, mas uma retribuição austera por sua rendição à Pátria, se necessário, até que eles percam suas vidas. Eles percebem um crédito de retirada que diferiu a compensação, uma pequena parte dos riscos assumidos, desenraizamento da família, instabilidade de residência e outros direitos dos cidadãos que são renunciados voluntariamente ao entrar nas Forças Armadas, como o direito de participar, para participar na política ou receber compensação por guardas executados ou horas extras trabalhadas. Eles conosco Somos el Ejército e trabalharemos para o seu bem-estar.

Somos el Ejército, inclui as baixas de todos os tempos e os Veteranos de Guerra das Malvinas, que independentemente de sua hierarquia, participaram de boa fé e com total dedicação, dentro de um contexto e tempo políticos, dispostos a dar suas vidas Como nenhum outro cidadão, assistimos principalmente à guerra na televisão.

Malvinas é uma causa que foi e continua sendo a única que une todos os argentinos e que devemos preservar dessa maneira. Foi uma guerra, e ninguém, a não ser os soldados que tinham um fuzil na mão na frente de um inimigo, pode interpretar e valorizar comportamentos, medos e heroísmo.

Somos el Ejército que se manifestará quando designarmos os quadros mais adequados e necessários para fortalecer o funcionamento do sistema de saúde do Exército e dos Hospitais Militares, o que faz com que o bem-estar dos funcionários tenha um forte impacto na qualidade de vida.

Somos el Ejército implica que trabalhamos em conjunto com os chefes do Estado-Maior Conjunto, com espírito cooperativo e integrador, convencidos de que a verdadeira força da ação militar conjunta se materializa na soma harmoniosa das capacidades que cada Força deve e pode contribuir, mantendo um Identidade e misticismo específico, que permitem a integração de Forças que chegam ao momento de serem atribuídas ao Comando Operacional, treinadas, alistadas e equipadas com eficiência, para cumprir qualquer missão imposta ao instrumento militar.

É assim que este Comando assume hoje.

Nesse sentido, fica claro que quem fala, na qualidade de Chefe do Estado-Maior do Exército, e aqueles a quem ele designa particularmente em cada caso, serão o elo exclusivo e exclusivo com o exterior da organização e com a cadeia de comando.

Aprecio o exemplo que tive de meu pai, um oficial subalterno, que pôde me ver no uniforme do general antes de partir para sua morada eterna. Agradeço também a um grande número de camaradas superiores e juniores que influenciaram significativamente a consolidação de minha profissão militar.

Um reconhecimento especial ao Sr. Tenente-General Claudio Pasqualini, por sua entrega e dedicação como chefe do Exército, muito obrigado, meu general.

Agradeço a Monica e meus filhos por seu apoio incondicional, bem como por me fazerem sentir o amor e a segurança da contenção familiar.

Peço a Nossa Senhora da Misericórdia, General(a) do Exército Argentino, que interceda diante do Senhor para orientar a direção da minha equipe no cumprimento desta missão.

Somos el Ejército significa dignidade e autoestima profissional.

É por isso que digo que Somos el Ejército.

 

 

Somos el Ejército Argentino
General-de-Brigada Agustín Humberto Cejas


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 09 ABR, 12:50

MAIS LIDAS

Argentina