COBERTURA ESPECIAL - Argentina - Geopolítica

07 de Dezembro, 2017 - 15:00 ( Brasília )

Juiz argentino pede prisão de ex-presidente Cristina Kirchner


Um juiz federal argentino indiciou e pediu a prisão da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner nesta quinta-feira, por tentar ocultar o possível papel do Irã na explosão de um centro comunitário judaico, que deixou 85 mortos em 1994, segundo despacho judicial.

Como Cristina é senadora, o Congresso precisa aprovar a remoção de sua imunidade parlamentar antes que ela possa ser detida. O juiz federal Claudio Bonadio também indiciou e pediu que o ex-ministro de Relações Exteriores de Cristina Hector Timerman cumpra prisão domiciliar.

Tanto Cristina Kirchner como Timerman já negaram ter cometido qualquer irregularidade. Embora a remoção da imunidade de autoridades do Congresso seja rara na Argentina, o Congresso o fez no dia 25 de outubro para o ex-ministro de Planejamento de Cristina Julio De Vido e ele foi preso no mesmo dia.

De Vido é acusado de fraude e corrupção, o que ele nega. Mais cedo nesta quinta-feira, outros dois aliados de Cristina foram presos com base na mesma decisão de Bonadio: Carlos Zannini, um assessor jurídico, e Luis D‘Elia, o líder de um grupo de manifestantes aliado a seu governo.

Há um ano, um tribunal de recursos ordenou a reabertura de uma investigação sobre a possibilidade de uma ocultação relacionada à explosão. Em janeiro de 2015, o promotor que fez a acusação inicial, Alberto Nisman, foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento em Buenos Aires.

A morte foi classificada como um suicídio, embora uma autoridade investigando o caso tenha dito que o incidente parecia ser homicídio. O corpo de Nisman foi descoberto algumas horas antes de quando ele deveria passar informações para o Congresso sobre a explosão do centro.

Nisman havia dito que Cristina trabalhou nos bastidores para livrar o Irã e normalizar as relações bilaterais para fechar um acordo de grãos por petróleo com Teerã. Bonadio escreveu que evidências do caso demonstraram que o Irã, com a ajuda de cidadãos argentinos, pareceu atingir seu objetivo de evitar ser declarado como um Estado “terrorista” pela Argentina.



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 22 JUN, 13:20

MAIS LIDAS

Argentina