COBERTURA ESPECIAL - Argentina - Segurança

23 de Dezembro, 2015 - 10:40 ( Brasília )

Forças de segurança e manifestantes se enfrentam na Argentina


Forças de segurança argentinas enfrentaram manifestantes que protestavam no acesso ao principal aeroporto do país nesta terça-feira, depois de o novo governo de Mauricio Macri ter advertido que não toleraria bloqueio de rotas, prática que costuma ser usada como forma de protesto.

É o primeiro conflito social que o líder de centro-direita deve superar depois de assumir a Presidência há somente 12 dias, em meio a uma situação econômica delicada e com uma oposição acirrada do peronismo e dos fortes sindicatos.

A TV argentina mostrou embates violentos entre os funcionários da empresa avícola Cresta Roja e os soldados, que lançaram água e dispararam balas de borracha para dispersar os manifestantes.

"Eles estão o tempo todo provocando, gerando este conflito", disse à imprensa o representante dos trabalhadores da Cresta Roja, Cristian Villalba, que afirmou que vai se reunir com autoridades do governo para resolver a disputa que impede os trabalhadores de receber os seus salários com normalidade.

As imagens de enfrentamentos entre forças de segurança e manifestantes haviam praticamente desaparecido nos últimos 12 anos, durante os governos de Néstor Kirchner e Cristina Kirchner, que haviam orientado policiais e soldados a não reprimir os protestos.

No entanto, muitos críticos afirmaram que essa política havia alimentado os protestos e os bloqueios de rotas.

Presidente argentino anuncia benefício extra aos pobres no Natal para compensar inflação

O presidente recém-empossado da Argentina, Mauricio Macri, anunciou na segunda-feira que as famílias mais pobres do país irão receber um benefício em dinheiro por ocasião do feriado de Natal para compensar o aumento dos preços após uma desvalorização de quase 30 por cento do peso na semana passada.

Desde que tomou posse há dez dias, Macri, um defensor do livre mercado, já cumpriu muitas de suas promessas de campanha, como o corte de impostos de exportação e remoção dos controles de capital e do câmbio, deixando o peso flutuar em uma tentativa de melhorar a competitividade da Argentina.

Críticos afirmam que Macri está ajudando grandes empresas à custa dos pobres, já que as medidas beneficiarão imediatamente exportadores que operam no setor de grãos, no qual o país é uma potência, mas alimentam a inflação, prejudicando os consumidores, especialmente aqueles com baixos rendimentos.

"Temos notado alguns preços de produtos básicos subindo, e é por isso que definimos esta contribuição de 400 pesos, enquanto nós trabalhamos com empresas e sindicatos para que esta transição seja o mais ordeira possível", disse Macri em entrevista coletiva.

Cerca de 8 milhões de pessoas receberão o auxílio até o final da próxima semana. Vai custar aos cofres públicos cerca de 3,3 bilhões de pesos (257 milhões de dólares).

Economistas disseram que as medidas de Macri provavelmente farão com que a economia do país, a terceira maior da América Latina, se contraia no início do próximo ano, já que a desvalorização dá impulso à inflação já estimada em 25 por cento e afeta o consumo privado.

Mas se o governo conseguir colocar um freio nos aumentos de preços, a economia deverá voltar a crescer até o final de 2016, já que as exportações aumentarão e o investimento começará a inundar o país, resultando em uma forte expansão em 2017.

O peso fechou na segunda-feira em 12,85 por dólar. É agora 23,5 por cento mais fraco do que antes de Macri decidir deixar a moeda flutuar, na quinta-feira.



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 18 OUT, 09:45

MAIS LIDAS

Argentina