COBERTURA ESPECIAL - Argentina - Geopolítica

11 de Setembro, 2014 - 09:30 ( Brasília )

Ministro nega fins militares de base chinesa

Construção preocupa membros da oposição argentina



O ministro de Planejamento da Argentina, Julio De Vido, negou que a base chinesa que está sendo construída no sul do país será usada para fins militares.

Segundo ele, são "absurdos" os boatos de que a base, ainda em construção, em Neuquén, a cerca de 1.380 quilômetros da capital, Buenos Aires, será usada para lançamento de mísseis. O ministro destacou, como apontou o jornal local La Nación, que o projeto de Pequim "tem fins exclusivamente pacíficos e assim consta nos acordos assinados".

"O plano espacial chinês de chegar à Lua em 2020 não tem e nem poderia ter fins militares", concluiu.

China deve lançar módulo de laboratório espacial Tiangong-2 em 2016

A China pretende lançar o módulo de laboratório espacial Tiangong-2 em 2016 e concluir o estabelecimento da estação espacial por volta do ano de 2020. A informação foi revelada nesta quarta-feira (10) em Beijing na 27ª reunião anual da Associação dos Exploradores Espaciais (ASE, na sigla em inglês) pelo vice-primeiro-ministro chinês, Ma Kai.

Ele destacou que a China persiste no uso pacífico dos recursos do espaço e dedica-se à promoção do desenvolvimento da civilização humana.

Facilidades para as empresas chinesas na Argentina

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que a China dedica muita atenção ao desenvolvimento das relações amistosas e tradicionais com a Argentina e quer ampliar a cooperação com o país. Ele destacou que os dois lados podem desempenhar um importante papel no sistema cooperativo inter-governamental e no diálogo cooperação econômico, além de elaborar um plano de ações para ampliar a cooperação bilateral nos setores energético, de minério, elétrico, de infra-estrutura, financeiro e de silvicultura.

A China espera que a Argentina crie mais facilidades para as empresas chinesas investirem no país. Sendo um importante país da América Latina, a parte chinesa apoia a Argentina a desempenhar um papel mais ativo nos assuntos internacionais e deseja envidar os esforços para promover a cooperação integral entre a China e a América Latina.

Cristina assinalou que espera aumentar as exportações para China e que também dá as boas-vindas para as empresas chinesas entrarem no mercado latino-americano, através da Argentina.

* Com CRI - China Radio International