COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Inteligência

21 de Outubro, 2017 - 11:00 ( Brasília )

AR-CL - Os Mapuches e a questão securitária na Patagônia




Beatriz Mendes
Pesquisadora Escola de Guerra Naval

 
Recentemente, representantes dos governos chileno e argentino firmaram um inédito acordo de cooperação e segurança. Uma das principais competências do plano relaciona-se às medidas de fiscalização, sobretudo ao controle do tráfico ilegal de armas na fronteira.

A motivação para tal acordo se dá pelo recrudescimento das ações de grupos ligados ao povo Mapuche, na região da Patagônia, fato que obteve ampla repercussão na imprensa dos dois países ao longo deste ano. A dificuldade de ambos os governos ao lidar com essas ações estimulou uma série de protestos em solidariedade aos Mapuches, o que gerou um grave transtorno político para ambos, apontando para a problemática da delimitação dos direitos dos povos originários na região.


 


A disputa está centrada na reinvindicação histórica do povo Mapuche pela Patagônia. A parte territorial exigida abrange a maior porção da Patagônia chilena e argentina, em uma faixa que se estende do Oceano Pacífico para o Atlântico. Essa reinvindicação, aliada à radicalização do modus operandi do grupo revela a dimensão geopolítica da questão, levando em consideração a importância estratégica da região.

A relevância para o Chile se concentra, principalmente, na porção sul, onde há a conexão bi oceânica e a proximidade com a Antártica. A Patagônia argentina possui uma relevância ainda maior para o país platino, sobretudo pela região de Vaca Muerta, que detém uma das maiores reservas de petróleo e gás de xisto do planeta. A presença de diversas empresas petrolíferas estrangeiras em Vaca Muerta aumenta a apreensão com os ataques dos indígenas na região.

Somando-se à relevância da disputa e à ameaça aos interesses estatais na Patagônia, deve ser considerada da mesma forma, a capacidade da questão tomar proporções maiores, aumentando as instabilidades do governo Macri, assim como o peso na sucessão presidencial no Chile, que ocorrerá em novembro próximo. Ademais, o que está em jogo é a própria sobrevivência da integridade territorial dos dois países.


Nota DefesaNet

São previstas pelas autoridades de inteligência da Argentina grandes atos durante a Reunião do G20 na Argentina, em 2018.

Matéria Relacionada

Ver o documento de propaganda dos Mapuches

 

KUTRALWE - Herramientas para la Lucha Link


 


VEJA MAIS