COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Naval

03 de Maio, 2016 - 11:00 ( Brasília )

Brasil reinicia monitoramento técnico das operações de desminagem humanitária na Colômbia


Em uma feliz coincidência, no dia 4 de abril de 2016, data em que a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora o Dia Internacional de Sensibilização às Minas e Assistência à Ação contra as Minas, os militares brasileiros componentes do Grupo de Monitores Interamericanos na Colômbia (GMI-CO), hoje comandado por Oficial da Marinha do Brasil, retornaram às atividades de gestão de qualidade nas áreas minadas.

Durante o mês de abril, o GMI-CO participou da certificação de 26 novos desminadores da organização civil de desminagem Halo Trust, uma das organizações estrangeiras autorizadas pelo governo colombiano a executar a remoção de minas antipessoais em seu território. Atualmente, existem organizações civis e militares autorizadas a realizar a desminagem humanitária na Colômbia.

Em 2011, por razões de orçamento e por questões internas da Organização dos Estados Americanos (OEA), o GMI-CO deixou de exercer o monitoramento nas áreas minadas. Desde então, o Grupo vinha prestando assessoramento técnico na confecção de Estandares Nacionais que regulam as atividades e responsabilidades das organizações que são certificadas no país.

O retorno ao monitoramento no terreno, construído pelo esforço da Junta Interamericana de Defesa (JID) junto à OEA, teve como fator determinante a crescente participação do GMI-CO nas Avaliações Operacionais dos Pelotões de Desminagem Humanitária de Fuzileiros Navais e do Exército Colombiano e nas análises documentais de procedimentos operacionais das organizações em processo final de certificação pela Colômbia. Algumas das organizações cujos procedimentos operacionais foram avaliados pelo GMI-CO, são: Italian Humanitarian Demining Group; Sterling Global Operations; Ayuda Popular Noruega; e a já citada, Halo Trust.

O GMI-CO, missão da JID estabelecida na Colômbia para prestar assistência técnica na remoção de minas antipessoais, foi criado em 2006, mediante um acordo entre a Colômbia e a OEA, o qual estabeleceu no país, o Programa de Ação Integral Contra Minas Antipessoais (AICMA-CO). O GMI-CO é chefiado pelo Capitão de Mar e Guerra (FN) Roberto Lemos, sendo composto, atualmente, por mais dois oficiais brasileiros, os Capitães do Exército Brasileiro Hudson Machado Moreira e Francisco Machado Parente Neto.