COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

10 de Setembro, 2015 - 14:00 ( Brasília )

Venezuela e Colômbia divergem sobre ajuda de Brasil, Argentina e Uruguai


ISABEL FLECK BRASÍLIA, de Brasília

Fonte - FOLHAPRESS

Diante das ofertas de mediação recebidas de países da região nos últimos dias, Venezuela e Colômbia continuam discordando sobre o melhor canal para resolver a crise diplomática que vivem.
O problema surgiu após o fechamento da fronteira entre os dois países pelo governo de Nicolás Maduro.

Enquanto Maduro disse aceitar a mediação de Brasil e Argentina e que se encontraria com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, onde ele quisesse, o governo colombiano, segundo a reportagem apurou, tem mais interesse na ajuda oferecida pelo Uruguai.

Isso porque o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, teria sido mais enfático numa proposta de intermediação do que o Brasil e a Argentina.

Mesmo após a passagem dos chanceleres Mauro Vieira (Brasil) e Héctor Timerman (Argentina) por Bogotá na sexta (4) e de uma conversa por telefone com a presidente Dilma Rousseff na semana passada, Santos anunciou, na segunda (7), que aceitava a proposta de Vázquez, de marcar uma reunião com as duas partes em Montevidéu.

Nesta quarta-feira (9), contudo, Santos disse que Maduro não atende os telefonemas de Vázquez. "Hoje falei com o presidente do Uruguai. Ele comentou que não consegue falar ao telefone com o presidente Maduro desde a semana passada", afirmou o colombiano.

O Uruguai ocupa a presidência temporária da Unasul, mas a Colômbia vê o convite de Vázquez como uma oferta do país, e não do bloco.

Discutir o tema na OEA (Organização dos Estados Americanos) era, inicialmente, a preferência de Bogotá. A Venezuela, por sua vez, preferia que a Unasul intermediasse as conversas.

A Colômbia, no entanto, não conseguiu que a OEA convocasse seus chanceleres para debater a violação dos direitos humanos dos colombianos na fronteira -numa votação em que o Brasil se absteve.

O governo Santos resiste à mediação da Unasul depois que o bloco adiou uma reunião sobre o tema, na última semana.

Nesta quarta, o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, também viajou para Bogotá e iria, na sequência, a Caracas para oferecer ajuda no diálogo entre os dois países.

O governo brasileiro diz não ver uma disputa entre as ofertas dos países vizinhos, já que todos estariam tentando promover uma aproximação entre Caracas e Bogotá.

Uma solução seria unir os esforços dos países vizinhos que já se ofereceram. Nesta semana, Dilma conversou por telefone com Vázquez. A decisão final, contudo, é das duas partes envolvidas.

AUTODESTRUIÇÃO

Nesta quarta, Santos deu sua mais forte declaração desde que, há três semanas, Maduro determinou o fechamento da fronteira entre os dois países e deportou mais de 1.400 colombianos.

Segundo ele, a revolução bolivariana está "se autodestruindo". Santos repetiu que a origem dos problemas do vizinho está em Caracas, e não em Bogotá.

 "Não estou destruindo a revolução bolivariana. A revolução bolivariana está se autodestruindo, por seus resultados, não por causa dos colombianos ou do presidente da Colômbia", disse Santos.



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 23 ABR, 02:30

MAIS LIDAS

America Latina