COBERTURA ESPECIAL - America Latina - SOF

06 de Fevereiro, 2015 - 11:40 ( Brasília )

Militares colombianos treinam forças armadas ao redor do mundo


Sylvia Zárate



Nos últimos anos, mais de 60 países ao redor do mundo receberam treinamento das Forças Armadas da Colômbia.

Os militares colombianos ganharam uma reputação mundial por sua eficiência no combate a grupos terroristas como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Exército de Libertação Nacional (ELN) e gangues criminosas, acumulando ampla experiência na realização de operações antiterroristas, métodos eficientes de coleta de inteligência, táticas antissequestro e campanhas bem-sucedidas de desmobilização com o apoio das Forças Armadas dos Estados Unidos, que ajudaram a treinar e consolidar suas capacidades ao longo do tempo.

Por isso, não surpreende que países com desafios semelhantes peçam regularmente que as Forças Armadas Colombianas ofereçam seu know-how e as lições aprendidas por meio de programas de treinamento para suas forças civis e militares.

Entre 2010 e 2014, as Forças Armadas da Colômbia treinaram cerca de 20.000 soldados e policiais de 63 países, incluindo El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Espanha, Itália e Afeganistão, graças a acordos de cooperação.

Os soldados colombianos contribuem com suas especialidades. Por exemplo, os melhores modos de executar operações de contraterrorismo e antissequestro, além de como combater crimes transnacionais.


Autoridades de Defesa elogiam militares colombianos

O Exército Colombiano tem profundo conhecimento e experiência para ajudar forças de segurança de todo o mundo graças a acordos de cooperação firmados com nações parceiras, como os EUA, que por sua vez permitem que outros países se beneficiem de sua experiência e seu conhecimento.

Por exemplo, após um encontro com o secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, no Forte de Tolemaida, em 10 de outubro de 2014, o ministro da Defesa colombiano, Juan Carlos Pinzón, sugeriu que a Colômbia ajude na luta internacional contra o grupo radical islâmico ISIS treinando tropas da coalizão.

Os militares colombianos também ajudaram na formação de forças de segurança espanholas sobre as melhores maneiras de desativar artefatos explosivos improvisados (IEDs); métodos de desminagem; como realizar interdições no mar e em outras vias navegáveis; operações de contraterrorismo; e as táticas mais eficientes para efetuar resgates em zonas de combate.

A cooperação internacional é fundamental na batalha contra organizações criminosas transnacionais.

“No mundo de hoje, onde o crime é uma preocupação internacional, nossos países devem trabalhar juntos pela estabilidade, e a Colômbia serve como um exemplo de seriedade e persistência raramente vistas”, disse o almirante Juan Francisco Martínez, diretor de Política de Defesa da Espanha, durante uma visita à Colômbia em maio de 2014. “A Espanha admira características como a capacidade desenvolvida pelas Forças Armadas [Colombianas] na luta contra o terrorismo”, disse Martínez. “Há toneladas de coisas que podem ser de utilidade para nós e úteis para a Colômbia”, completou.

Em outubro, Pinzón participou do Diálogo Tswalu na África do Sul, onde se reuniu com especialistas em segurança global. Ele constatou que diversos países africanos pretendem adotar os métodos das Forças Armadas Colombianas de combate ao narcotráfico e ao terrorismo.
 

Contribuições do Comando Jungla

O Exército não é a única força de segurança colombiana que oferece treinamento para outros países.

Todo ano, o Comando Jungla da Polícia Nacional Colombiana treina dezenas de novos soldados de todo o mundo em seu programa de luta contra as drogas.

O Comando Jungla é um grupo especializado da Polícia Antinarcóticos da Colômbia que tem a missão de realizar um ataque frontal ao tráfico de drogas, assim como oferecer treinamento a outros países.

Desde 1989, o Jungla treinou cerca de 1.600 policiais de países como Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Uruguai, Honduras, Costa Rica, Panamá, Brasil, Argentina, Afeganistão e México, de acordo com o comandante de seção da Companhia Jungla, Wilson Forero.

O treinamento inclui “planejamento, preparação, execução e avaliação de operações e interdições, localização e destruição de laboratórios de produção de cocaína, destruição de pistas de pouso e objetos de alto valor, em qualquer região topográfica”, diz Forero.

Em maio, o Comando Jungla realizará seu 15º Curso Internacional. Participarão 80 estudantes, entre eles 50 da Polícia Nacional Colombiana e 30 de outros países.