COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

21 de Julho, 2014 - 11:10 ( Brasília )

Informe Otálvora: China e Rússia disputam com EUA a América do Sul

Além das crescentes relações bilaterais com a maior parte dos países da região, a China pretende intervir diretamente no continente Latino-Americano


EDGAR C. OTÁLVORA / ANALISTA

@ Ecotalvora


O Secretário da UNASUL, a organização que reúne os governos da América do Sul e que  faz a mediação entre o governo e a oposição na Venezuela, está novamente nas mãos de um amigo da esquerda continental, o ex-presidente colombiano Ernesto Samper Pizano.

Com o apoio de todos os governos de esquerda da América do Sul, a Colômbia derrotou facilmente o outro candidato para o cargo, o peruano Francisco Eguiguren Praeli, atual embaixador do Peru em Madrid.

A decisão pró Samper foi confirmada após conversas informais que os líderes sul-americanos tiveram em Brasília, em 16JUL14.

Samper assumirá seu cargo, com sede  em Quito, em meados de agosto e tem como objetivo fortalecer a organização como um "fórum de debate político." Samper, que governou entre 1994 e 1998, foi investigado por ter recebido dinheiro do narcotráfico para financiar sua campanha.

Seu julgamento foi interrompido por uma decisão parlamentar. Visto por setores da esquerda como uma "vítima" dos EUA, que retirou o seu visto há vinte anos, Samper tem mantido boas relações com regime de Chavista da Venezuela. Nas recentes eleições em seu país Samper apoiou a reeleição de Juan Manuel Santos.

*****
A UNASUL teve quatro secretários executivos. O presidente equatoriano Rodrigo Borja, que  demitiu-se antes de assumir o cargo, em 2008, presidente da Argentina, Néstor Kirchner, que se tornou secretário em 2010 por cinco meses, até sua morte, combinando funções parlamentares em seu país e marido da presidente Cristina Fernández.

Em 2011, em meio às tensões usuais entre Álvaro Uribe e Hugo Chávez, a UNASUL optou por designar a colombiana Maria Emma Mejía e o venezuelano Rodríguez Araque como secretários da UNASUL, limitando o seu mandato de um ano para cada.

A falta de acordo ou interesse do grupo fez o membro da Venezuela, dileto amigo do regime cubano desde os anos sessenta, permanecesse  à frente da UNASUL por mais do que o dobro do tempo para o qual foi eleito.

*****

A notícia  da candidatura do ex-presidente colombiano Ernesto Samper Pizano como Secretário Executivo da UNASUL, surgiu em Bogotá após a eleição presidencial, que reelegeu Santos. O nome de Samper era comentado há meses, mas a situação eleitoral colombiana diminuiu os esforços externos para buscar apoio. Samper se encaixa bem no interesse do eixo Havana-Caracas para continuar a manter o controle executivo da UNASUL e os rivais não tinham expressão. A candidatura de Samper foi lançada pelo presidente do Uruguai, José Mujica, em 16JUL14, logo após a reunião com  Santos, em Brasília.

*****

Após o final da Copa do Mundo, o Brasil sediou dezenas de reuniões de alto nível que iniciou, em  15JUL14, na cidade de Fortaleza, com VI Cúpula Presidencial dos BRICS, grupo em formação, constituído por Brasil, China, Índia, Rússia e África do Sul.

O evento teve uma cobertura especial dos meios de comunicação internacionais em especial pela criação de um "Novo Banco de Desenvolvimento" e fundo de reserva para contingências, replicando a estrutura do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional. O NBD não é primariamente um banco para financiar os governos da América Latina, como alguns meios de comunicação chegaram a afirmar.

*****

Na  quarta-feira, 16JUL14, os líderes dos BRICS mudaram-se para Brasília, onde a presidente Dilma Rousseff reuniu seus onze colegas sul-americanos. A reunião contou com a presença de todos os membros do BRICS -UNASUL.

Rousseff serviu como anfitriã para a entrada da Rússia e China como os principais players da região. No dia seguinte uma reunião entre o presidente Xi Jinping e os presidentes da CELAC, também no Palácio do Itamaraty, em Brasília, escoltada pela presidente Rousseff  e sem a presença de outros parceiros do BRICS, uma reunião cuidadosamente planejada pelo governo chinês.

Para a reunião com Xi só foram convocados os dirigentes do "quarteto" (Costa Rica, Cuba, Equador e Antígua e Barbudos), mas a esses reuniram-se outros chefes de Estado. Todos estavam interessados ??em cumprimentar o tio chinês rico.

No encontro China-CELAC, 17JUL14,  com Rousseff e Xi , compareceram Raul Castro, Nicolas Maduro, Pepe Mujica, Rafael Correa, Juan Manuel Santos, Dilma Rousseff, o novo presidente da Costa Rica Luis Guillermo Solis, Michelle Bachelet, Donald Ramotar, Desi Bouterse, Suriname e o primeiro-ministro de Antígua e Barbados, Gaston Browne.

Além de suas crescentes relações bilaterais com muitos dos países da região, a China tem a intenção de intervir diretamente no funcionamento da  América Latina. Xi anunciou a criação de um fundo de EUA US$ 35 bilhões para os planos de desenvolvimento e construção de infra-estrutura na América Latina.

Todos os presentes aplaudiram a notícia, enquanto Xi partia de Brasília para mais três visitas na região: Buenos Aires, Caracas e Havana.

China assinou dezenas de acordos com o governo brasileiro, incluindo a área militar,  aspectos educacionais, etc. A carne brasileira voltou aos mercados chineses e o Brasil patrocinou a entrada em serviço o sistema de busca Baidu, rival chinês do Google.

 *****

Raul Castro chegou à capital brasileira, em 16JUL14. Ao contrário das outras delegações, Cuba foi hospedada na casa de campo presidencial "Granja do Torto" na periferia de Brasília. De acordo com as autoridades brasileiras, foi o próprio governo cubano que solicitou essa distinção.

Castro recusou-se a ficar em um hotel ou na residência de seu Embaixador. Na Granja do  Torto, realizou-se uma famosa reunião, que inclui churrasco, entre o então presidentes George W. Bush e Lula da Silva, em 2005. Na quinta-feira à noite, Castro ofereceu um jantar ao seu colega Nicolas Maduro.

*****

Vários dias antes da chegada de Xi Jinping à América do Sul, Vladimir Putin percorreu a região. Na sexta-feira, 11JUL14, Putin fez uma visita oficial a Cuba, com reunião com os dois irmãos Castro. No final do dia, em uma visita não incluída na agenda oficial, Putin chegou a Manágua, onde ele fez uma reunião meteórica,  de pouco mais de uma hora, com o presidente Daniel Ortega.

A próxima etapa da viagem foi a Argentina, onde Putin passou dois dias e, em seguida, chegou ao Brasil. No total, foram seis dias nos quais o líder russo esteve em solo americano, período em que  se reuniu com líderes da América do Sul e uma meia dúzia de presidentes da América Central e do Caribe.

Em Brasília, Putin encontrou-se com Nicolas Maduro, que ofereceu uma nova linha de crédito e  com Juan Manuel Santos, que prometeu apoio político nas negociações com os guerrilheiros.

 *****
 A Rússia tem interesses militares claros na América Latina, tanto em apoio  às suas operações globais e clientes para a sua indústria de defesa. A visita de Putin na Nicarágua foi a de um parceiro muito importante para apoio logístico no Hemisfério Ocidental. Em duas oportunidades a Rússia operou exercícios de reconhecimento de rotas, bases aéreas na Venezuela e Nicarágua para bombardeiros estratégicos.

Em 2008, depois de  que Hugo Chávez,  em Moscou,  deu a entender que a Venezuela poderia fornecer bases militares à Rússia, dois bombardeiros estratégicos Tupolev Tu-160 capazes de lançar mísseis nucleares pousaram em Base de Libertador de Palo Negro, no estado central de Aragua, Venezuela. Ambas as aeronaves realizaram posteriormente a rota Venezuela-Nicarágua-Venezuela.

A segunda missão ocorreu em outubro de 2013 quando novamente dois Tu-160 pousaram em Maiquetia (Venezuela), em 28OCT13,  após  vôo “nonstop” da Rússia, no que foi  oficialmente descrito como uma missão de "treinamento de combate."

Em 31OUT13 , os dois aviões Tu-160 da Força Aérea da Rússia voaram para a Nicarágua e retornaram para a Venezuela  no dia seguinte.  As manobras russas,  em 31OUT13, no Caribe,  provocaram mal-estar no governo da Colômbia, que acusou a Rússia de violação do espaço aéreo ao sul de San Andrés.

Dois aviões de caça Kfir da Força Aérea da Colômbia interceptaram os dois gigantes aviões russos e os escoltaram até que eles deixaram o território colombiano.

*****

A viagem de Putin à região coincide com uma forte ofensiva de negócios da indústria de defesa da Rússia na América do Sul. Brasil, Uruguai, Peru e Colômbia estão em alta na mira dos mercadores de armas de Moscou. Um breve relato das negociações militares com países da região, inclui o Brasil  em aproximações com a Rússia l para a aquisição do sistema de defesa aérea Pantsir-S1.

O governo peruano está envolvido na compra de centenas de tanques T90, carros blindados para transporte de tropas BTR-80 e dezenas de helicópteros MI-171. Uruguai fala em comprar meia dúzia de aeronaves de treinamento militar  Yakovlev Yak-130.

A Colômbia está montando uma versão tropical do BTR-80 russo, mas Moscou flerta com os militares colombianos mostrando novos equipamentos inadequados para a guerra de guerrilha, mas que podem ser opções para a reforma militar a ter lugar no que hoje é chamado de "pós-conflito ".

Na verdade, as autoridades colombianas participaram como observadores durante exercícios militares na Venezuela,  12MAIO14, durante o qual foram utilizados sistemas antiaéreos russos adquiridos pela Venezuela.