COBERTURA ESPECIAL - Africa - Terrestre

14 de Maio, 2019 - 11:00 ( Brasília )

Preparação intensiva de Guerreiros de Selva que atuarão na missão das Nações Unidas no Congo


No dia 10 de maio de 2019, ocorreu a última videoconferência, no Comando Militar da Amazônia (CMA), referente aos trabalhos de preparação intensiva dos militares Guerreiros de Selva que atuarão na Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO).

A videoconferência teve como objetivo acompanhar a finalização dos trabalhos de preparação de um programa de instrução (In-Mission Training Program) voltado especificamente para as tropas da Organização das Nações Unidas (ONU) empregadas na República Democrática do Congo (RDC).

Essas tropas possuem a missão de proteger a população civil e de neutralizar os grupos armados que estão cometendo atrocidades no país. O Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), sob a supervisão do CMA, havia iniciado, no dia 29 de abril, as instruções de preparação específica de um grupo de 13 assessores especialistas em ambiente de selva, para cooperar com o treinamento e preparo da Brigada de Intervenção da Organização das Nações Unidas (ONU), na República Democrática do Congo.



Eles compõem a Equipe de Treinamento de Guerra na Selva (Jungle Warfare Training Team – sigla em inglês: JWTT), formada por oficiais e sargentos da Marinha do Brasil, da Força Aérea Brasileira e do Exército Brasileiro. Esse grupo de militares montou um programa para aprimorar a capacitação e o adestramento das tropas que estão combatendo grupos armados que aterrorizam a população local no Congo.

A JWTT será empregada a partir da primeira quinzena de junho deste ano, por um período de seis meses de operação. A ONU havia identificado que, com o apoio dos Guerreiros de Selva brasileiros, seria possível aprimorar o desempenho das tropas empregadas no Congo e, dessa forma, contribuir com a neutralização de grupos armados que hoje cometem atrocidades na região e geram instabilidade no país. Segundo o Major Luís Fernando Tavares Ferrreira, um dos 13 selecionados, “o CIGS é considerado um dos melhores Centros de Instrução de Guerra na Selva, fruto da experiência forjada ao longo de mais de 50 anos de história”.

Para o Comandante do CIGS, Coronel Mario Flávio de Albuquerque Brayner, “por se tratar de uma área de selva, o Congo, é muito semelhante e peculiar à região amazônica. Para nós é muito importante estarmos participando da retomada da paz naquele país amigo”, destacou. Participaram da videoconferência o Force Commander da MONUSCO, o General de Divisão Elias Rodrigues Martins Filho, e representantes do CMA, do Comando de Operações Terrestres e do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), além dos 13 militares das Forças Armadas que compõem a JWTT.

Nas próximas semanas, os guerreiros de selva do JWTT estarão na cidade do Rio de Janeiro para realizar suas últimas atividades antes do embarque para a missão de paz. Eles realizarão exames médicos, físicos e psicológicos necessários para as missões de paz e terão palestras no Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB). Esses militares deverão permanecer na MONUSCO por seis meses.



Fotos:
CMA/CIGS/Winnetou Almeida


VEJA MAIS