COBERTURA ESPECIAL - Africa - SOF

29 de Abril, 2019 - 09:20 ( Brasília )

Especialistas em Guerra na Selva do Brasil são convidados pela ONU para atuarem como instrutores em Missão de Paz no Congo


A Organização das Nações Unidas (ONU) convidou o Brasil para participar da Missão das Nações Unidas na República Democrática no Congo (MONUSCO) com instrutores formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), organização militar reconhecida como um dos melhores centros de especialização de guerreiros de selva do mundo.

Atualmente, a MONUSCO é a segunda maior missão de paz em andamento da ONU, atrás somente da que ocorre na República do Mali (MINUSMA), também localizada no continente africano.

A preparação para a missão inicia-se ainda em abril, quando 13 guerreiros de selva selecionados voltarão a se encontrar no CIGS, em Manaus. O grupo, composto por oficiais e sargentos, passará por diferentes treinamentos até o embarque para o país africano.

No CIGS, de 29 de abril a 10 de maio de 2019, eles realizarão a revisão, em inglês, das técnicas mais modernas de Guerra na Selva. Após esse período, os militares passarão por avaliações físicas e psicológicas em centros especializados do Exército Brasileiro, no Rio de Janeiro.

Além disso, um preparo específico para a atuação em Missões de Paz ainda será realizado pelo Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), também localizado na capital fluminense.

A MONUSCO conta, hoje, com mais de 15 mil militares de diferentes países e está sob o comando de um militar brasileiro – o General de Divisão Elias Martins Filho, que tem o mandato previsto até dezembro de 2019.

Além do Force Commander, mais oito militares brasileiros fazem parte da missão no centro do continente africano. No momento, o Brasil participa de nove missões da ONU, com 44 militares do Exército Brasileiro.



Missão na República Democrática no Congo

O país está localizado na região central do continente africano e enfrenta uma série de problemas sociais e conflitos armados. Trata-se de um dos maiores países da África em extensão territorial, possuindo grandes riquezas naturais, o que infelizmente não é sinônimo de desenvolvimento nacional.

O baixo índice de desenvolvimento humano (IDH) e o alto índice de mortalidade infantil são apenas alguns dos tristes registros da República Democrática do Congo. Atualmente, a região enfrenta um grave surto de ebola, o segundo pior da história, com mais de 600 mortes.

O General Elias explica que “para que ocorra uma Operação de Manutenção da Paz, como das que o Brasil participa, alguns requisitos precisam ser cumpridos: primeiro o consentimento do país anfitrião; segundo a existência de um acordo de paz entre as partes envolvidas; e terceiro quanto aos atores que contribuem para o processo de paz – civis, militares e agentes humanitários que devem ser imparciais e representar todos os continentes na área da missão.

E, por fim, tudo isso deve estar sob o comando das Nações Unidas”. Para o Force Commander: “os conflitos nessa região, em particular no leste, são bastante sangrentos, tendo provocado desastres humanitários que não têm tido notoriedade diante da comunidade internacional.

A República Democrática do Congo tem mais deslocados no interior do país do que na guerra da Síria. Estudos indicam que há mais de 200 grupos armados, e bem armados, na região, causando grandes danos às populações civis.

Nos últimos anos, tornaram-se comuns os ataques às tropas das Nações Unidas, o que contribuiu para a existência de um ambiente bastante tenso com uma situação de risco elevada que tem provocado mortes de peacekeepers, os “soldados da paz”, como são conhecidos os militares que atuam nas missões de paz sob a égide da ONU”.


VEJA MAIS